domingo, 25 de setembro de 2011

Lanzarote - Terra do Fogo


Hoje vamos Divagar até uma ilha com um encanto muito especial, terra do fogo e da lava, um local diferente e misterioso. Hoje vamos voar até Lanzarote, declarada em 1993 - Reserva da Biosfera.




Lanzarote é a ilha mais oriental do arquipélago das Canárias. Fica apenas a 113 quilómetros da costa de África, sendo formada por vulcões adormecidos, enormes crateras e rios de lava.
Foi descoberta pelo navegador Genovês Lancelloto Malocello em 1312. Entre 1730 e 1736 deram-se grandes erupções vulcânicas, que destruíram vilas inteiras, originando uma fuga generalizada da população para as outras ilhas do arquipélago.




A capital de Lanzarote é Arrecife desde 1852, uma linda e tranquila cidade portuária. Dois dos seus pontos de interesse são o Castelo de São Gabriel, fortaleza do século XVI situado numa ilhota e que abriga um museu arqueológico, e o Castelo de São José (século XVIII), que inclui uma galeria de arte contemporânea.


Castelo de São Gabriel
Foto net

No caminho do aeroporto para o hotel fiquei surpresa, a paisagem era muito diferente do que alguma vez tinha visto, terra negra, pouca vegetação e quase sem árvores há excepção de palmeiras, uma paisagem estranhanhamente surpreendente.




Ficámos instalados no Hotel Sol Lanzarote que se situa a poucos quilómetros do aeroporto de Puerto Del Carmen.




Gostei imenso do hotel, tinhamos um excelente quarto, comida diversificada e bem confecionada, pessoal super simpático, excelentes piscinas, estando situado mesmo em frente à praia de Matagorda.

A avenida ao longo das praias é lindissima e lá no céu os aviões a chegar são uma constante.


Existem pequenos miradouros ...


do alto dos quais se tem uma panorâmica mais ampla de toda a zona envolvente.


São muitos os recantos lindos, estando tudo sempre impecavelmente limpo.


Num dos nossos passeios fomos surpreendidos por um casal de noivos que se encontrava na praia a tirar fotografias.




■ O Lazer
Passear de bicicleta, de segway, nadar na piscina ou mesmo fazer um pino antes de dar um mergulho no mar, são algumas das formas de passar bons momentos.




São muitos os pontos de interesse nesta ilha. Apenas visitámos alguns, mas vou deixar a referência dos locais mais emblemáticos.

O que visitar:

■ Cueva de los Verdes
Uma série de grutas interligadas formadas por correntes de lava seca, em que em certos pontos, é mesmo necessário baixarmo-nos para passar. Um incrível jogo de luzes e cores idealizado pelo arquitecto Cesar Manrique e guias incríveis, que mantêm o pessoal em suspense durante toda a visita, tornam este local completamente mágico. É uma das maiores grutas vulcânicas do mundo. Constituída pela lava das erupções do vulcão La Corona, tem um cumprimento de 7 km, apesar de ser só visitável apenas 1 km dessa área.


Fotos pessoais e net


■ Jameos del Agua
Pertence ao mesmo tubo vulcânico da Cueva de los verdes. A reconversão da gruta dos Jameos del Agua num autêntico centro de arte, cultura e turismo deve-se também a Cesar Manrique. Foi aqui criado um auditório natural, um bar-restaurante, túneis de circulação, escadas, salas e um núcleo de investigação e divulgação do fenómeno vulcânico, denominado a Casa dos Vulcões. Aqui se situa uma lagoa natural de água salgada, único local no mundo onde vive o caranguejo cego albino.




A Cueva de los Verdes e os Jameos del Agua estão ligados pelo Túnel Atlântida, com mais de seis quilómetros de extensão e o mais longo tubo de lava do mundo.

■ Mirador del Río
Outra das criações de César Manrique foi o Mirador del Rio. Inserido na rocha e com diferentes níveis, oferece fantásticas vistas panorâmicas. A principal delas é vista da Ilha Graciosa.


Fotos pessoais e net


■ Teguise
Fundada em 1414 foi a primeira capital de Lanzarote, tendo sido instalada no centro da ilha numa tentativa de a proteger dos piratas. Há excepção dos domingos, em que é dia de mercado e as suas ruas se enchem de movimento e cor, é um local muito tranquilo. Fiquei muito admirada, pois viam-se muito poucas pessoas na rua.




■ Fundación César Manrique
O desejo de César Manrique de realçar as potencialidades da lava, levou-o a construir a sua própria casa em Taro de Tahíche, inserida num mar de lava.




Uma casa de uma beleza única completamente integrada na paisagem, foi transformada após a sua morte na Fundação César Manrique, acolhendo hoje as suas obras, bem como exposições temporárias de pintura e escultura de diversos autores.




■ Jardín de Cactus
Plantados no negro da terra são cerca de 10 mil exemplares de cactos de mais de mil espécies diferentes, oriundos da América, Madagáscar e Canárias. Foi a última obra de César Manrique.


Foto net


■ Parque Nacional de Timanfaya
As Montañas del Fuego localizadas dentro do Parque Nacional de Timanfaya, são efectivamente um conjunto de inúmeros vulcões, ligados por um autêntico mar de lava. Timanfaya é a cratera mais elevada, dando nome ao Parque Nacional, criado em 1974. Não é permitida a entrada de carros, a visita é feita num autocarro pertencente ao parque.


Foto net


■ Haria - a Aldeia das 1000 Palmeiras
O seu nome "Vale das Mil Palmeiras" não lhe foi dado por acaso, pois neste vale as palmeiras são muito mais do que 1000, surgindo altas e elegantes por entre as casas brancas que se espalham pelas colinas.




■ Puerto Calero
Lindissima marina, local de partida para uma nova aventura...




Daqui saímos para fazer uma espectacular viagem de submarino. Descemos até cerca de 30 metros de profundidade. Ao longo do percurso a guia ia dando explicações sobre os peixes que íamos observando, ou sobre os navios afundados. Em determinada altura do percurso, passou junto às janelas do submarino, um mergulhador acompanhado por uma raia enorme e vários outros peixes à sua volta, espectacular! Adorei a viagem.




■ As Praias
Embora a sua natureza seja vulcânica, Lanzarote tem belissimas praias, umas de areia negra mas também algumas de areia branca, como a Playa Blanca ou a Playa Papagayo. As praias de Puerto del Carmen, apresentam uma areia mais escura, mas muito macia. Como corre sempre um ventinho, a zona destinada às cadeiras e chápeus de sol, encontra-se protegida por redes.




Ao percorrermos Lanzarote esteve sempre presente o nome de César Manrique, que deixou uma importante herança de arte e cultura. Foi um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento da ilha, tendo sempre presente nas suas obras, o equilibrio e integração perfeita com a natureza.


Formas e cores fantásticas, rotundas que dão gosto ver pelo cuidado com que foram criadas, uma preocupação constante em manter a ilha limpa, estando sempre presentes o cuidado de reciclar e separar devidamente os lixos, povoações perfeitamente integradas na paisagem e a gentileza das suas gentes, fez com que adorássemos a nossa estadia. Compreende-se porque José Saramago - Prémio Nobel da Literatura em 1998, a tenha eleito para sua residência permanente.

Lanzarote é um lugar de inegável beleza. Ficou uma imensa vontade de lá voltar!




Fontes: Visita pessoal e informações gerais da net.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Lagos


Lagos é uma bonita cidade Portuguesa que fica localizada no Algarve, no distrito de Faro. 
 


Tem uma longa história ligada ao mar. O primitivo nome, Lacobriga, denuncia os primeiros habitantes de origem celta deste porto, cerca de 2000 anos a. C. Foram sucedidos por fenícios, gregos e cartagineses, mas foram os romanos que a fizeram crescer e prosperar. 



Os árabes rodearam-na de muralhas no séc. X e chamaram-lhe Zawaia. Aqui ficaram até serem conquistados pelos cristãos em 1249, ano em que a povoação foi integrada em território português. Esta zona foi a última a ser reconquistada e os seus vestígios prolongaram-se até aos nossos dias nos monumentos, ornamentação das ruas e nas fortalezas que se encontram ao longo de todo o litoral.



A cidade de Lagos viveu sempre a sua história muito ligada ao mar. No principio com o seu porto marítimo e hoje em dia com as suas praias que são um grande atractivo para atrair turistas. Alem das suas praias, os seus monumentos devem-se também destacar, sobretudo pela sua beleza e arquitectura.



Durante o Séc XVI e XVII, foram vários os palácios que se construíram nos arredores do seu porto marítimo, assim como igrejas, ermidas e templos religiosos que proliferaram com um estilo barroco.



Lagos tornou-se conhecida como a Cidade dos Descobrimentos porque foi a partir daqui que o Infante D. Henrique iniciou a grande diáspora do Descobrimentos portugueses. Foi um ponto de paragem quase obrigatório para as primeiras expedições que cruzavam o oceano atlântico, com a intenção de conhecer o novo mundo. Era um Lugar donde se partia sem ter ideia onde se ia chegar.



Apesar de o terramoto de 1755 ter provocado grandes estragos, Lagos conservou nas suas ruas e praças muito do encanto de uma cidade secular. No local da antiga cidade medieval - um quadrilátero definido pelas muralhas e pelas ruas de São Gonçalo e de 5 de Outubro -, as casas mostram muito do seu carácter nas cantarias das janelas e portas, nos ferros forjados das varandas, nos espaços de sombra e frescura criados pelas ruas estreitas e nos pátios onde crescem figueiras, videiras e flores.



A parte da cidade nascida da expansão dos sécs. XV a XIX tem o seu coração na Praça Gil Eanes e no meandro de ruas onde se descobrem azulejos ao gosto da “Arte Nova”; casas apalaçadas de fachadas nobres, a alvura de paredes recortadas pelas cantarias das janelas.


A visitar
A Ponta da Piedade
Ninguém pode resistir a um passeio até à Ponta da Piedade, onde um farol construído no local de uma antiga ermida marca o limite entre a terra e o mar.


Com uma magnífica vista sobre o Atlântico e as formas das falésias, esculpidas pelo mar e pelo tempo, a Ponta da Piedade constitui um cenário edílico de rochedos recortados em constante contraste com o azul esverdeado das águas que lhe dão um colorido particular. Situada a dois quilómetros de Lagos, na Costa d’Oiro, e repleta de grutas, baías desconhecidas e praias tranquilas, a Ponta da Piedade é particularmente atraente quando vista a partir do mar.



A entrar no oceano, uma longa e estreita escadaria conduz a uma pequena enseada, onde barcos pitorescos esperam pelos visitantes que pretendem explorar este paraíso natural. Um passeio diferente que permite conhecer de perto as formações rochosas existentes na costa, verdadeiras obras-primas moldadas pelas ondas e a que os locais gostam de dar nomes.



O castelo dos governadores
Paralelo à Avenida dos Descobrimentos, o Castelo dos Governadores conserva pouco da sua construção inicial, tendo sofrido muitas alterações ao longo do tempo. É, no entanto, uma das referências principais de Lagos. Possui, na fachada, uma janela manuelina de onde Dom Sebastião terá assistido à missa que precedeu a sua partida para Alcácer Quibir. Nos relvados do Jardim da Constituição, frente à janela, três painéis, da autoria do escultor João Cutileiro, evocam esta histórica batalha que custaria a vida ao rei português.



O centro histórico
Na Praça do Infante, onde uma estátua fixa o mar numa calçada trabalhada em ondas azuis, a Igreja de Santa Maria vira a sua fachada à esplanada. Iniciada no século XV, sofreu várias modificações, sendo reconstruída no século XIX após um violento incêndio. Em baixo pode apreciar-se a fachada do Armazém Regimental e o Mercado dos Escravos, espaços actualmente utilizados para exposições de arte.



Arco de São Gonçalo
Oratório edificado nos anos 40 para perpetuar a memória do Santo Padroeiro de Lagos que terá nascido em 1360, segundo a tradição, numa casa situada junto das Portas do Mar, no local onde hoje se encontra o seu nicho e imagem. Lagos comemora, a 27 de Outubro, o seu feriado municipal, em honra deste seu ilustre filho e padroeiro.


O Forte da bandeira
Também conhecido como Forte do Pau da Bandeira, e localizado junto à ribeira de Bensafrim e ao mar, é uma construção de carácter defensivo (século XVII), com fosso e ponte levadiça. O pequeno areal onde foi construído assistiu às primeiras vendas de escravos, na época em que os portugueses iniciavam as grandes aventuras além-mar sob a orientação do infante Dom Henrique. Hoje, este espaço é utilizado para as celebrações de uma das festas mais tradicionais de Lagos: o Banho 29. Considerado como purificador, em tempos idos a população do concelho deslocava-se como podia para tomar banho de mar à meia-noite no dia 29 de Agosto. O forte oferece uma paisagem magnífica sobre a cidade e o oceano.


Igreja de São Sebastião
Localizada na freguesia de S. Sebastião, encontra-se classificada como Monumento Nacional. O primeiro edifício religioso neste local foi a Ermida de Nossa Senhora da Conceição, construída em 1325.

A Igreja de Santo António
Provavelmente edificada sob o reinado de D. João V, foi construída para servir de local de culto para os militares de Lagos, pertencendo à administração militar. Danificada no Sismo de 1755, foi recuperada em 1769 por ordem de Hugo Beaty, comandante do Regimento de Infantaria de Lagos. É uma construção em estilo Barroco, cuja simplicidade exterior contrasta com a riqueza decorativa do interior. A decoração em talha dourada é considerada das mais belas do País. A obra do retábulo, que sobreviveu ao terramoto, foi encomendada em 1718 ao entalhador Gaspar Martins. A restante obra de talha é atribuída ao entalhador Custódio Mesquita.


Muralhas
A chamada Cerca Velha ficou concluída no século XIV e abrangia um burgo de urbanismo ortogonal com uma “rua direita” e respectivas travessas, que corresponde ao núcleo primitivo da cidade de Lagos conhecido como Viladentro. A muralha renascentista, conhecida como Cerca Nova, cujo plano global foi traçado na primeira metade do século XVI, incorporou no seu perímetro abaluartado as duas paróquias da Cidade, Santa Maria e São Sebastião. Esta obra foi impulsionada durante o reinado de D. João III e concluída na primeira metade do século XVII.



As praias
O enorme areal que se avista do comboio já perto da estação ferroviária de Lagos, com cerca de 4 quilómetros de comprimento, tem características bem diferentes do resto das praias da cidade. Na Meia Praia, a areia é especialmente macia e branca, pelas suas dimensões (é uma das maiores baías da Europa) e ausência de rochas, é ideal para a prática dos mais variados desportos náuticos. Existe um centro de windsurf e, na Marina, podem obter-se informações sobre outras actividades: mergulho, esqui aquático, pesca grossa em alto mar, etc.


Gastronomia
Em Lagos, o prazer da mesa vem do mar.  Aos carapaus alimados, ensopado de safio ou de tamboril e bife de atum juntam-se as sempre apetitosas amêijoas na cataplana, a feijoada de buzinas, as lulas cheias recheadas com presunto e chouriço e muitos condimentos. Nos doces, Lagos tem uma tradição que remonta aos tempos em que as gulosas freiras do Convento de Nossa Senhora do Carmo criaram a receita dos dom-rodrigos. Morgados de figo e de amêndoa, figos cheios e bolos de mel são uma boa forma de acabar a refeição, acompanhada por um doce vinho licoroso com o perfume das uvas moscatel, de produção local.






Artesanato
As artes tradicionais mantêm-se vivas na cerâmica que, utilizando velhas formas, introduz novas decorações e cria figuras ligadas à vida contemporânea, como as chaminés algarvias, os azulejos pintados, ou ainda aos diversos artefactos úteis no dia-a-dia. Mas também na produção de peças em cobre martelado, segundo uma técnica que tem possível origem árabe.O moderno artesanato está representado em Lagos por tecidos estampados, objectos de cabedal, peças em bambu e quadros com flores secas.
 

Festas e Romarias

27 Outubro - Festa de S. Gonçalo de Lagos
Último domingo Agosto - Festa de N. Srª dos Aflitos
Último Fim de semana de Julho - Feira Concurso "Arte Doce"
22 a 24 Novembro - - Feira Franca de Lagos
12 a 13 Setembro - Festa de N. Srª da Conceição em Odiáxere

Lagos é, desde tempos imemoriais, uma cidade rica em história e beleza natural, bem preservada, com amplas áreas pedonais, parques e pequenos recantos, cheios de cor e vida, que convidam a partir à sua descoberta.

Vá visitar, Vale a pena.

Fontes: Wikipedia; http://www.cm-lagos.pt/;http://www.portugalvirtual.pt/; http://www.algarve-portal.com/; http://www.visitalgarve.pt/; http://www.guiadacidade.pt/;  Outros.

Fotos: Pessoais



Sempre que viajamos seja física ou virtualmente (através por exemplo da leitura), alargamos os nossos horizontes, pois vamos conhecer novos locais, novos costumes, novas realidades e gentes. Aumentamos o nosso conhecimento e enriquecemos interiormente.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Vale Jiuzhaigou – Um paraíso lendário


Hoje vamos divagar pelo Vale Jiuzhaigou na China, declarado Património da Humanidade pela Unesco em 1992. Os chineses dizem que a Reserva Natural de Jiuzhaigo, é "o mundo dos contos de fadas".



Foi declarado como Reserva da Biosfera em 1997 por UNESCO. Jiuzhaigou em chinês significa Vale das Nove Vilas, remetendo às nove aldeias tibetanas que desde séculos se encontram na região e se espalham pelo vale, com casas típicas entre as montanhas, pontes sobre riachos e moinhos. Shuzheng Zhai é a mais movimentada, com uma grande quantidade de bandeiras de orações de todas as cores que rodeiam o stupa dos Nove Tesouros.

Foto: www.aslaexplorers.com

O Parque Nacional de  fica situado na cordilheira Min Shan e ocupa mais de 72.000 hectares na parte norte da província de Sichuan. Está a 2000 metros de altura e Monte Ganzigonggai é o pico mais alto com cerca de 4.800 metros, tendo uma extensão de mais de 50km. É composto por 3 vales em forma de “Y” o Shuzheng, Rize e Zechawa.

Foto: http://wallpapers.brothersoft.com


Tem uma variedade de ecossistemas de florestas bem diversos. Jiuzhaigou é classificado como a floresta das florestas. Estas florestas são o lar de numerosas espécies de plantas, algumas são variedades endémicas do vale como o rododentros (Rhododendron) e bambus (Bambusoideae).

Foto: http://www.cypripedium.de

Habitam no Vale porcos selvagens, veados, texugos, cerca de 140 espécies de aves, assim como animais em vias de extinção, como o panda gigante e os macacos dourados de Sichuan.



Os cisnes migram para nidificarem em Jiuzhaigou e são um espetáculo encantador, concentrando-se no Lago do Cisne.

Foto: www.tripadviser.com_ Caraghandben

No vale existem dezenas de lagos com águas de cor azul, verde e turquesa, variando as cores de acordo com as suas profundidades, resíduos e ambiente. A composição calcária sedimentada no seu fundo, refletem cores azuis durante o dia, e cores alaranjadas no final da tarde. Os tibetanos nativos chamam a estes lagos "Haizi", que em chinês significa “filho do mar”. Existem muitos rios subterrâneos que ligam vários destes lagos.

Foto: http://www.chinayak.com

Um dos seus principais pontos de interesse é o lago das Cinco Flores, a 2,5 mil metros de altitude e com uma água cristalina que reflete uma centena de tons de azul e verde.

Foto: wikipedia_chensiyuan

Do grande rochedo inclinado conhecido como Zhenzhutan (terraço de pérola), caem as famosas Pearl Shoal Waterfalls (cascatas da Peróla) a mais alta do parque, com 162,5 metros de altura.

Foto: wikipedia_Noé Lecocq

O parque têm muitos passadiços de madeira através dos lagos e florestas que permitem ao visitante percorrer a pé este local fazendo assim um lindissimo passeio pela natureza.

Foto: http://www.myeggnoodles.com

Na zona norte de Jiuzhaigou no Vale Shuzheng ficam as Cataratas Nuorilang um dos símbolos de Jiuzhaigou. São as cataratas mais largas da China, com 320 metros de largura e 20 metros de altura.

Foto: http://www.globeimages.net

Imponentes montanhas, verdes vales, florestas primitivas, prados encantadores, uma centena de lagos que formam piscinas naturais, cataratas de àguas cristalinas, rios e riachos verdes como jade, um céu azul, nuvens brancas como algodão, tudo forma um cenário único magnífico e lendário.

Fontes e Fotos: Wikipedia; www.portalsaofrancisco; http://www.jiuzhai.com/language/english/index.html; http://whc.unesco.org/en/list/637; http://www.mochileiros.com/dicas-jiuzhaigou-t51799.html; http://wallpapers.brothersoft.com;  http://www.chinayak.com; http://www.globeimages.net; outros.


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.

Foto: http://www.globeimages.net

Viajar é alargar os nossos horizontes, é conhecer novas culturas, novos locais, paraísos perdidos que nos fascinam e encantam e se não o podemos fazer fisicamente, podemos sempre fazê-lo através da fotografia e da leitura, essa será a nossa viajem virtual!