sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Passear pelo Huntington Botanical Gardens


Hoje vamos conhecer mais um jardim maravilhoso. Vamos divagar pelo The Huntington Library, Art Collections and Botanical Gardens em San Marino, California, USA.


Foto: http://www.huntington.org

Huntington gardens é uma instituição de ensino e pesquisa. Além de uma biblioteca, a instituição exibe uma grande colecção de arte de retratos Ingleses, na mansão encontra-se mobiliário francês do século 18, e os seus jardins botânicos apresentam diversos temas, desde uma coleção de cactos históricos, o Jardim Zen, Jardim chinês e muitos outros jardins com outras especialidades.


Foto: http://www.huntington.org

Em 1903 Henry Huntington adquiriu o San Marino Ranch, uma fazenda com pomares de citros, nozes, lavouras de alfafa, um pequeno rebanho de vacas, e aves e transformou-a num jardim botânico maravilhoso de plantas raras e exóticas.

William Hertrich, o seu superintendente foi fundamental no desenvolvimento das coleções de plantas diversas que compõem a fundação do Jardim Botânico.


Foto: www.panoramio.com_kluke4

A propriedade, originalmente cerca de 600 hectares hoje cobre 207 hectares, dos quais aproximadamente 120 são paisagísticos e aberto aos visitantes.

O jardim é composto de quatorze jardins conectados, cada um com seu próprio tema, apresentando mais de 14.000 variedades de plantas.


Foto: www.panoramio.com_Thorium.handler

Huntington Lily Ponds, as lagoas Lily - foi o primeiro jardim fundado em 1904 por William Hertrich tinha nascentes naturais que surgiram a partir de rochas na falha Colina Raymond. São quatro hectares que compõem as lagoas lírio, um lugar perfeito onde se encontram duas lagoas grandes e três pequenos lagos. A água da lagoa, que é circulada e reciclada, é o lar de tartarugas, sapos, carpas japonesas, plantas aquáticas, e ocasionalmente patos selvagens.


Foto: http://www.gardensonline.com.au

Depois, seguiu-se o Huntington Japanese Garden, o Jardim Japonês - Ocupa nove hectares, iniciou-se em 1911 tendo sido inspirado pelo fascínio ocidental generalizado pela cultura asiática e abriu ao público em 1928. Um pátio murado contendo um jardim de pedras e areia e uma área de exposição de bonsai foi adicionada em 1968. O jardim dispõe de várias formas de pinheiros japoneses vermelhos, bonitos zimbros, grandes cicas, e glicínias.


Foto: http://www.huntington.org

Huntington Desert Garden (cactus) - O Jardim do Deserto é o lar de uma das maiores e mais antigas coleções de cactos e outras suculentas do mundo. Contém plantas de ambientes extremos, muitas das quais foram adquiridas pelo Sr. William Huntington e Mr. Hertrich (o curador do jardim), em viagens feitas a vários países na América do Norte, Central e América do Sul.


Foto: www.panoramio_klule

O Huntington Chinese Garden, Jardim Chinês - Foi fundado em 1919. Inspirado pela tradição secular chinesa de jardins privados, destinados para atividades acadêmicas, Fang Liu Yuan, ou o Jardim do Flowing Fragrance, combina a beleza cênica da natureza com a expressividade da literatura para dar significado mais profundo para a paisagem. Percorrer os seus caminhos enriquece a mente e o espírito.


Foto: www.panoramio.com_Hal janzen

Huntington Rose garden - foi desenhado por Myron Hunt e plantado pela primeira vez por William Hertrich como um jardim de exibição em 1908. Na década de 1970, o jardim foi reorganizado como um "jardim coleção" com mais de 1.200 cultivares (cerca de 4.000 plantas individuais), dispostas historicamente para traçar o desenvolvimento de rosas desde a antiguidade até os tempos modernos começando com os egípcios, gregos e romanos.


Foto: http://www.huntington.org

O jardim Australiano, Australian Garden - abriu ao público em 1964, tem uma extensão de cinco hectares de prados e bosques e oferece um contraste agradável aos caminhos e gramados bem cuidados localizado no topo da colina.


Foto: http://www.huntington.org


Huntgton Camellia Garden, jardim das camélias - Com 60 espécies e 1200 cultivares, este jardim tem uma das coleções mais completas de camélias da América do Norte. As plantações são apresentadas ao longo dos caminhos.


Foto: http://www.huntington.org

Huntington Jungle Garden - Este jardim, apresenta uma floresta alta, um sub-bosque de árvores e arbustos, trepadeiras e plantas com folhas de proporções consideráveis. Crescem aqui plantas comumente associadas com os trópicos, incluindo orquídeas, bromélias, gengibre, samambaias, palmeiras, bambus, e muitos membros da família do lírio de calla, como filodendros.


Foto: Net

Palm garden, jardim das palmeiras – Abriu em 1905, contém mais de 200 espécies das mais decorativas e botanicamente mais interessante palmeiras. A coleção constitui uma das maiores representações de palmeiras em exibição pública, na Califórnia.


Foto: Net

Shakespeare Garden, o jardim Shakespeare - este jardim inclui muitas plantas e flores mencionadas nas peças de Shakespeare, incluindo papoulas, amores-perfeitos, violetas, rosas, alecrim, narcisos, íris, rosas, colombinas, e cravos. A intenção máxima deste jardim é a criação de um palco para a compreensão da arte de Shakespeare e a sua relação com as plantas.


Foto: http://www.huntington.org

No Huntington Botanical Gardens, encontra-se o gigantesco Amorphophallus titanum Titan Arum ou (aka the Flower Corpse). A flor da Titan é extremamente rara e pode alcançar mais de 6 metros de altura, sendo o seu odor excepcionalmente desagradável.


Foto: wikipedia

Quarenta jardineiros, e mais de 100 voluntários são necessários para manter as coleções botânicas, fornecer programas interpretativos para os visitantes, e propagar plantas para vendas especiais. Desde a morte de Huntington, em 1927, muitos outros jardins têm sido desenvolvidos, inclusive para plantas subtropicais e australianas, ervas e camélias, entre outros.


Foto: http://www.huntington.org

O mausoléu em forma de um templo grego de Henry Huntington e Arabella foi desenhado por John Russell Pope e foi dedicado ao amor eterno. Construído em mármore de Yule Colorado, o mausoléu situa-se numa colina e tem vista para os jardins. Era um lugar muito querido de Huntington.


Foto: www.trekearth.com_Copyright:  Cheryl Gonzalez

The Huntington gardens é um local absolutamente fascinante, onde a cultura e a natureza envolvem o visitante, permitindo um divagar pelos meandros da harmonia, serenidade e paz interior.

Para mais informações visite o seu site oficial: The Huntington Library, Art Collections and Botanical Gardens.

Fontes e Fotos : wikipedia; http://www.huntington.org/; http://www.shaunramsay.com/; Panoramio; http://www.gardensonline.com.au; outros Net


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.


Foto: http://sandiegovoiceforrealestate.com


"A neve e as tempestades matam as flores, mas nada podem contra as sementes." Khalil Gibran

domingo, 15 de janeiro de 2012

Divagando pelos Castelos de Portugal


Os castelos fazem indubitavelmente parte da cultura e história do lugar onde estão inseridos, eles são o símbolo de um povo. Portugal tem um riquissimo património e se não podemos visitar fisicamente, sempre o podemos conhecer virtualmente e alargar assim os nossos horizontes.



Hoje vamos Divagar por alguns dos nossos lindos Castelos.


Castelo de Guimarães
Localiza-se na freguesia de Oliveira do Castelo, cidade e concelho de Guimarães, no distrito de Braga. Em posição dominante, sobranceiro ao Campo de São Mamede, este monumento encontra-se ligado à fundação do Condado Portucalense e às lutas da independência de Portugal, sendo designado popularmente como berço da nacionalidade.


Foto: wikipedia

Castelo de Penedono
Também referido como Castelo do Magriço, na Beira Alta, localiza-se na povoação, freguesia e concelho de Penedono, no distrito de Viseu. Em posição dominante sobre a povoação, esta pequena estrutura medieval constitui-se em um misto de fortificação defensiva e residência senhorial.


Foto: JAGIL_Olhares


Castelo de Silves
Situa-se na cidade, Freguesia e Concelho de mesmo nome, no Distrito de Faro, em posição dominante sobre a foz do rio Arade, é considerado como o mais belo exemplo da arquitectura militar islâmica no país, foi erguido com o emprego de taipa, revestida com grés (arenito), material abundante na região e que lhe confere uma tonalidade avermelhada.


Foto: do Blog “Sónia Alcobaça”


Castelo de Bragança
Localiza-se na freguesia de Santa Maria, no centro histórico da cidade, concelho e distrito de Bragança. À margem do rio Fervença, é um dos mais importantes e bem preservados castelos portugueses, tendo sito construído à base de alvenaria de xisto, rocha abundante na região. Desde 1936, o museu histórico-militar está instalado nas dependências da torre de menagem.


Foto: wikipedia_Jose Antonio Martinez

Castelo de Marvão
Fica situado na vila e freguesia de Santa Maria de Marvão, concelho de Marvão, distrito de Portalegre. O castelo inscreve-se no Parque Natural da Serra de São Mamede, na vertente norte da serra, em posição dominante sobre a vila e estratégica sobre a linha da raia, controlando, no passado, a passagem do rio Sever, afluente do rio Tejo. O Castelo de Marvão encerra nos seus muros a vila medieval.


Foto: wikipedia_Elemaki

Castelo da D. Chica
Também conhecido como Castelo de Palmeira, Casa da Chica ou Palácio de D. Chica, localiza-se na freguesia de Palmeira, concelho e Distrito de Braga. Trata-se de um edifício apalaçado, de características ecléticas sobre um estilo romântico, projetado pelo Arquitecto suíço Ernesto Korrodi. A sua construção iniciou-se em 1915, por iniciativa de Francisca Peixoto de Sousa, nascida no Brasil, que mandou vir do seu país muitas das espécies arbóreas actualmente existentes na mata envolvente.


Foto: Wikipedia_Jose Gonçalves

Castelo de Sintra
Popularmente conhecido como Castelo dos Mouros, localiza-se na vila de Sintra, freguesia de São Pedro de Penaferrim, concelho de Sintra, no distrito de Lisboa. Erguido sobre um maciço rochoso, isolado num dos cumes da serra de Sintra, na Estremadura, do alto das suas muralhas descortina-se uma vista privilegiada de toda a sua envolvência rural que se estende até ao oceano Atlântico. Para Ver Mais


Foto: Wikipedia_Rei-Artur

Castelo de Porto de Mós
Também é referido como Castelo de D. Fuas Roupinho, localiza-se na freguesia de São Pedro, na vila de Porto de Mós, no distrito de Leiria. Ergue-se num outeiro, em posição dominante sobre a povoação. Apresenta planta pentagonal irregular, em estilo gótico e renascentista.


Foto: wikipedia

Castelo de Arraiolos
É conhecido também como Paço dos Alcaides, localiza-se na vila, freguesia e concelho de Arraiolos, no distrito de Évora. O conjunto, é integrado pela fortificação do Paço dos Alcaides e pela cerca amuralhada, apresenta planta quadrangular, com elementos do estilo românico e do estilo gótico. Destaca-se por ser um dos raros castelos de planta circular, no mundo.


Foto: Wikipedia_MarioM

Castelo de Almourol
Localiza-se na Freguesia de Praia do Ribatejo, Concelho de Vila Nova da Barquinha, Distrito de Santarém. Evoca simultaneamente os primórdios do reino de Portugal e a Ordem dos Templários, associação que lhe reforça a aura de mistério e romantismo. Com a extinção da Ordem do Templo o castelo de Almourol passa a integrar o património da Ordem de Cristo (sucessora em Portugal da Ordem dos Templários).


Foto: wikipedia_Daniel Feliciano

Castelo da Feira
Referido também como Castelo de Santa Maria da Feira e Castelo de Santa Maria, localiza-se na freguesia e cidade da Feira, concelho de Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro. Outrora cabeça da Terra de Santa Maria, ex libris da Feira, é considerado como um dos exemplos mais completos da arquitetura militar medieval no país, uma vez que nele se encontra representada a vasta gama de elementos defensivos empregados no período.


Foto:Wikipedia_MarinhoPaiva

Castelo de Serpa
Localiza-se na freguesia de Salvador, povoação e concelho de Serpa, no distrito de Beja. Em posição dominante sobre a povoação, integra o território à margem esquerda do rio Guadiana. O castelo ergue-se no centro histórico da povoação.




Castelo de Palmela
Encontra-se na vila, freguesia e concelho de mesmo nome, distrito de Setúbal. Inscreve-se na chamada Costa Azul, no Parque Natural da Arrábida. Apresenta planta poligonal irregular, orgânica (adaptada ao terreno), com as muralhas reforçadas por torreões de planta quadrada e circular.

Foto: Pessoal

Castelo de Belmonte
Localiza-se na freguesia, vila e concelho de Belmonte, distrito de Castelo Branco. Em posição dominante sobre uma elevação à margem esquerda do rio Zêzere, na região da serra da Estrela, este castelo medieval tem a sua história ligada à dos descobrimentos portugueses e à do Brasil, uma vez que os seus Alcaides pertenciam à família do navegador Pedro Álvares Cabral. A facha principal do castelo, orientada para o Sul, é rasgada por um portal de arco de volta perfeita, encimado por uma esfera armilar e pelas armas dos Cabral.

Foto: Pessoal

Castelo de Leiria
Encontra-se na cidade, freguesia, concelho e distrito de Leiria. Edificado em posição dominante a norte sobre a primitiva povoação e o rio Lis. No interior do castelo destaca-se o Paço Real, a Igreja de Santa Maria da Pena e a Torre de Menagem.


Foto: olhares.sapo_Vitor Guerra

Castelo de Vila Viçosa
Localiza-se na freguesia da Conceição, na povoação e concelho de Vila Viçosa, Concelho de Vila Viçosa, Distrito de Évora. Em posição dominante sobre a vila, nas proximidades da vertente nordeste da serra de Ossa, ergue-se sobre uma colina defendida naturalmente pela ribeira de Ficalho e pela ribeira do Carrascal, afluentes menores do rio Guadiana. No seu interior ergueu-se a igreja matriz, sede da primeira paróquia da vila, e que hoje é o importante Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, proclamada padroeira de Portugal em 1646. O castelo, propriedade da Fundação da Casa de Bragança e atualmente encontram-se nele instalados o Museu da Caça, onde se encontra a colecção privada de Manuel Lopo Caroça de Carvalho, e o Museu de Arqueologia da Fundação.

Foto: Pessoal


Castelo de Tomar
Fica situado na freguesia de São João Baptista, na cidade e concelho de Tomar, distrito de Santarém. Castelo templário na margem direita do rio Nabão, integrou, à época da Reconquista, a chamada Linha do Tejo. O castelo apresenta elementos de arquitectura militar nos estilos românico, gótico e renascentista. O castelo encontra-se classificado como Património da Humanidade, pela Assembleia Geral da UNESCO de 27 a 30 de Junho de 1983.

 Foto: pessoal

Castelo de São Jorge
Localiza-se na freguesia do Castelo, na cidade e concelho de Lisboa. O nome actual deriva da devoção do castelo a São Jorge, santo padroeiro dos cavaleiros e das cruzadas, feita por ordem de D. João I no século XIV. Ergue-se em posição dominante sobre a mais alta colina do centro histórico, proporcionando aos visitantes uma das mais belas vistas sobre a cidade e o estuário do rio Tejo.

Foto: pessoal


Castelo de Beja
Ergue-se na linda cidade de Beja, a sua fortificação data da Invasão romana da Península Ibérica, tendo sido este o local escolhido por Júlio César para formalizar a paz com os Lusitanos. O Castelo, tal como o conhecemos hoje, resulta da reconstrução que D. Dinis mandou efectuar, no século XIV. Numa combinação de estilos românico, gótico, manuelino e maneirista, o monumento apresenta planta no formato pentagonal. A robusta Torre de Menagem, em estilo gótico, é considerada como um dos mais belos exemplos da arquitectura militar da Idade Média em Portugal.


Foto: Carlos H. Macedo_Olhares


Fontes e Fotos: Wikipedia: http://monumentoportugues.blogspot.com/; Treakheart; olhares e Fotos Pessoais

Para viajar basta deixar os nossos olhos divagar se não for no real que seja através de fotografias, fazendo uma viagem virtual.

"Fotografia é registrar a magia dos momentos e capturar a eternidade" (desconheço o autor)

sábado, 7 de janeiro de 2012

Parque Nacional Tikal – A natureza e a antiga civilização Maia

Na província de Petén na Guatemala, situado no coração da selva e rodeado de uma exuberante vegetação, fica Tikal, um dos sítios mais importantes da civilização Maia.


Foto: www.deviantart.com

Tikal foi declarado parque nacional em 26 de Maio de 1955, tendo sido originalmente estabelecido como monumento nacional em 1931. Tikal National Park (foi aceite como Património Mundial da Humanidade em 1979) e Laguna del Tigre (sítio Ramsar) declarada reserva da biosfera em 30 de Janeiro de 1990.


Foto: http://mayantrip.com

Foi habitado do século VI a.C. até ao século X d.C. O seu centro cerimonial compreende magníficos templos e palácios assim como praças públicas. O nome " Tikal " quer dizer " Lugar de Vozes " ou " Lugar de Línguas " na língua maia.


Foto: wikipedia
Foto: www.hdwalpaper.net

Trata-se de um Parque Nacional com mais de 500 quilómetros quadrados, é uma das oito áreas protegidas da Reserva da Biosfera Maia e faz parte da maior área de floresta de chuva tropical da América Central. Nele se encontram florestas de terras altas e baixas e uma vasta gama de habitats naturais intactos.




A Laguna del Tigre e Laguna de Yaxha são as principais lagoas encontradas na zona húmida, onde há um grande número de pântanos.


Foto: www.freewalppaper.com

As florestas de chuva cobrem cerca de metade da área do parque e são constituídas por mais de 2000 espécies vegetais, incluindo 185 espécies diferentes de árvores. Nas terras altas, a floresta é dominada por cedros (Cedrela sp.), mognos (Swietenia macrophylla), amapás (Hancornia amapa) e possui a maior densidade de palmeiras (Chamaedorea sp.) de toda a Reserva da Biosfera.


Foto: http://www.tikalinformation.com/

O parque alberga vários endemismos regionais e espécies em risco. É refúgio para a maior parte dos mamíferos selvagens da Guatemala. Conta com uma fauna espectacular onde habitam pumas, onças, macacos, papagaios, tucanos , preguiças, o crocodilo-de-Morelet (Crocodylus moreletii) que pode ser encontrado nos pântanos, ou ainda a tartaruga-branca (Dermatemys mawui), espécie ameaçada pelo excesso de caça, entre muitos outros.




Tikal foi um dos centros urbanos mais importantes da época maia. As mais de três mil construções estendem-se por mais de 16 quilómetros quadrados incluem palácios, templos, pátios cerimoniais, campos para jogos com bola, terraços, residências, praças, túmulos e pirâmides, incluindo o templo mais alto do mundo Maia.


Foto: http://www.hdwp.net/

Na Plaza Mayor (Praça Maior) encontra-se o templo I, Templo do Gran Jaguar, que aponta para o ocidente através da praça, alcançando uma altura de 52 metros.


Foto: www.panoramio.com_copyright _ rokaPic40666

Em frente o templo II, templo de Los Mascarones, tem uma forma mais achatada e sua altura é de 42 metros. A separar os dois templos encontra-se uma esplanada sobre a qual se encontram 70 esteiras e altares e ao redor deles estão os complexos de palácios conhecidos como acrópoles.


Foto: http://www.xrez.com

Muitas são as relíquias colossais de Tikal, entre elas está o templo IV, o mais alto da área, que ultrapassa os 60 metros.


Foto: copyright Dr.Nicolas Hallmuth

Existem dois museus em Tikal, o Museu de Stelae e o Museu Sylvannus G. Morley, ambos apresentam uma importante colecção de artefactos Maias e réplicas.

O parque possui três hotéis e uma área para acampar, vários restaurantes e cafés.


Foto: www.panoramio.com_copyright _ Talavan

O Parque Nacional de Tikal, pela sua magnífica união da natureza com as suas ruínas arqueológicas é uma das jóias da América Central.


Para saber mais informações visite o site oficial do Tikal National Park

Fontes e Fotos: Wikipedia; www.planetazul.pt/; http://www.espacoturismo.com; http://whc.unesco.org/; http://www.tikalpark.com/; www.guatemalaontheweb.com; www.worldhistoricalsites.com/tikal/; UNESCO/CLT/WHC; http://www.xrez.com/case-studies/cultural-heritage/tikal-documentation-for-unesco/; www.panoramio.com; http://www.hdwp.net/; outros Net.


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.

Foto: wikipedia_Cafeyaxha

Viajar é alargar os nossos horizontes, é conhecer novas culturas, novos locais, paraísos perdidos que nos fascinam e encantam e se não o podemos fazer fisicamente, podemos sempre fazê-lo através da fotografia e da leitura, essa será a nossa viajem virtual!