segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Divagando por Évora


Este ano fomos ver o nascer do novo Ano em Évora, a Cidade-Museu.




Ficamos no Hotel M'ar de Ar  Muralhas um local acolhedor, com charme e excelentemente localizado no Centro Histórico de Évora.




Declarado Património Mundial pela UNESCO em 1986, o Centro Histórico de Évora situa-se dentro das muralhas e é formado por ruas estreitas, pátios, travessas, largos, igrejas e jardins.





Já tinha visitado esta linda cidade e os seus principais pontos turisticos mas desta vez foi diferente, pois decidimos também andar a pé pelas suas ruas e travessas, descobrindo assim todo o seu encanto.




Começámos a nossa visita no sábado à noite, com uma voltinha até à Praça do Giraldo, onde nos esperava uma grande árvore de Natal e uma enorme fogueira, à volta da qual as pessoas se iam aquecendo e conversando.





No Domingo, o nosso programa iniciou-se com uma paragem na Praça do Giraldo, para beber um café no Café Arcada. Estava um sol agradável e soube bem poder apreciar, todo o movimento desta simpática praça, enriquecida por uma belissima fonte em mármore branco, rematada por uma coroa de bronze. Obra do arquitecto Afonso Álvares, foi construída possivelmente entre 1571 e 1573.





Após o café e ainda na Praça do Giraldo, fomos visitar a Igreja de Santo Antão. Esta igreja foi mandada construir pelo Cardeal D.Henrique, Arcebispo de Évora, tendo a sua construção começado em 1557. É muito bonita, apresentando vários altares de talha dourada.





Da Praça do Giraldo partem imensas ruas. Subimos pela Rua 5 de outubro até à Sé de Évora. Estavam paradas no largo duas charretes e decidimos continuar o dia, com uma voltinha de charrete. É um belo passeio, que percorre os principais pontos do Centro Histórico da cidade.





De regresso à Sé fomos visitar logo ao lado, no Largo do Conde de Vila Flor, o Museu de Évora. Ocupa o antigo Palácio Episcopal. As suas origens remontam a 1804, quando o arcebispo de Évora Frei Manuel do Cenáculo, coleccionador ecléctico, criou a Biblioteca Pública de Évora, onde também abrigou uma colecção de arte. Oficialmente, porém, o Museu de Évora foi criado em 1915.






O Museu tem cerca de 20000 objectos, incluindo peças de arqueologia, pintura, escultura, desenho, ourivesaria, cerâmica, mobiliário e texteis.





Apresentava a exposição "Entre a Seda e o Ouro", onde se encontra um conjunto de várias peças dos séculos XVI a XVIII, maravilhosamente trabalhadas em ouro e seda, símbolos de luxo e poder económico dessa época.





Em frente ao Museu, fica o Templo de Diana, templo romano construído no início do século I, d.C. Breve paragem no Jardim de Diana em frente ao Templo.




Pequeno mas simpático, ao centro encontra-se o monumento com o busto do Dr. Francisco Barahona, grande benemérito da cidade.






O jardim oferece uma excelente vista sobre a cidade e a planície.




Hora de almoço. Paragem para apreciar a boa comida alentejana. O restaurante escolhido foi o D. Joaquim. Excelente!
Voltando à nossa caminhada a primeira paragem depois do almoço foi a Sé Catedral.




Em estilo gótico é consagrada a Santa Maria e foi construída entre os séculos XIII e XIV.




A visita começa por uma subida até à Torre. São muitas escadas em caracol, mas vale o esforço.






A vista lá de cima é espetacular.







Descemos e prosseguimos a visita pelos claustros e jardim interior.




Nos claustros entrámos por uma pequena porta e subimos novamente, por umas escadas em caracol, tambem muito estreitas, que iam dar a um terraço por cima dos claustros e à volta do jardim interior.






Por fim, foi a vez de visitar o interior da capela-mor.







Terminada a visita à Sé, descemos a Rua 5 de outubro, onde o comércio tradicional é uma constante.




Ao atravessarmos a Praça do Giraldo o Pedro lá foi ver novamente a fogueira.




Parámos para observar a bela fachada da Igreja da Graça, obra do arquitecto Miguel de Arruda, tendo nela também trabalhado Nicolau de Chanterene, notável escultor francês do século XVI. Não deu para ver o interior, pois infelizmente encontrava-se fechada, à semelhança da maioria das outras igrejas.





Seguimos para a Igreja de S. Francisco. Esta Igreja foi reconstruída a partir do reinado de D. João II e terminada na época de D. Manuel. A sua arquitectura e decoração mistura os estilos gótico, mudéjar e manuelino.





Mesmo ao lado, visita obrigatória à Capela dos Ossos. Foi construída no século XVIII, por iniciativa de três monges que pretendiam transmitir a mensagem da transitoriedade da vida. É inteiramente forrada com ossos humanos provenientes dos cemitérios, situados em igrejas e conventos da cidade. É conhecida pela famosa frase escrita à entrada: "Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos".




Já tinhamos andado bastante e o dia estava a terminar, era hora de ir para o hotel.



Na Segunda feira o dia acordou com nevoeiro, mas isso não me iria impedir de continuar a descobrir as ruas e património de Évora.




Subi pela rua dos Mercadores até ao Largo de Giraldo, passei pela Igreja de S. Vicente e fui até ao Largo das Portas de Moura, onde se encontra uma bela fonte renascentista do século XVI, obra de Diogo de Torralva, mandada erigir pelo maior mecenas da cidade, o Cardeal-Rei D. Henrique. O seu chafariz era um dos principais pontos de abastecimento de água na cidade antiga.





Continuei pela Rua Conde da Serra da Tourega até ao Largo do Colégio.





Com o nevoeiro, a paisagem torna-se um pouco misteriosa, quase que dava a sensação de estarmos no passado.




Breve paragem junto à Igreja e Pousada dos Loios.






Fui descendo passando por várias ruas até chegar ao Jardim Público de Évora. Foi construído por iniciativa municipal entre 1863 e 1867, sendo um projecto do arquitecto-cenógrafo italiano José Cinatti.






No centro, o coreto, construído em 1887, lembra os concertos musicais de outras épocas.




Do Palácio de D. Manuel, monumento Nacional datado do século XVI, sobreviveu apenas a chamada Galeria das Damas, em que se misturam influências do gótico-mudéjar, manuelino e renascentista. Foi neste palácio, que Vasco da Gama foi investido, no comando da esquadra da Descoberta do caminho marítimo para a Índia.




Antes de ir almoçar, ainda fui até uma das entradas da cidade, a Porta do Raimundo.




Depois de almoço prosseguimos ao longo das muralhas.





Fomos até à Porta da Lagoa e como cartão de visita do lado esquerdo vimos o Aqueduto de Évora. O Aqueduto da Água de Prata, foi construído entre 1531 e 1537 pelo arquitecto Francisco de Arruda. Originalmente levava a água até à Praça do Giraldo.




Como ficam com charme as casas por debaixo dos arcos do aqueduto.




Numa das arcadas do aqueduto que dava para uma tranquila praceta, encontrámos esta fonte com o brasão de armas de Évora.



Continuámos a seguir a Rua do Cano, que acompanha o aqueduto até mesmo ao seu inicio.



Mais à frente, a calma e bela praça de Sertório. Aqui fica a Câmara Municipal de Évora, uma construção do século XIX e ao fundo a Igreja do Salvador do Mundo do século XVII.




O dia estava a terminar e começava a arrefecer bastante, era a altura certa para terminar a visita. Chegou a noite e com ela o final de ano. Foi um jantar muito agradável, com excelente comida e boa companhia. Foi uma noite especial.




Foi um jantar muito agradável, com excelente comida, boa disposição e alegria.






Uma noite especial, numa belíssima cidade. Évora é história, encanto e charme, uma cidade que adoramos visitar!




O tempo passa inexorávelmente por todos nós, e como o gostariamos de acelerar nos maus momentos e parar nas alturas especiais, mas isso não é possível.  Há que viver e aproveitar o melhor possivel os bons momentos, que o presente por vezes nos oferece e retê-los na memoria, para aliviar o coração e a alma com a sua recordação, quando as tempestades da vida se abatem sobre nós. Um bom Ano para TODOS.

Informação sobre os monumentos da Wikipedia.

5 comentários:

  1. Belíssima reportagem......Gostei de rever alguns locais, outros desconhecia.
    Bom Ano
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria.
    Reportagem bem completa e cuidada.
    Como o amigo Andrade disse, há locais que não conhecia e no entanto, tantas foram as vezes que fui tanto em trabalho como em passeio a Évora, e me escaparam.
    Venho só agora mas penso nunca ser tarde para desejar aos amigos um feliz 2013.
    Beijo e kandando, grato por este pedaço aqui bem passado e pelas visitas que me muito me honram.

    ResponderEliminar
  3. Excelente reportagem de Évora....
    Feliz Ano Novo....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  4. Amiga Maria:
    Conheço bem Évora e adoro-a também.
    Excelente viagem e fotos a condizer.

    Feliz 2013 para ti e para os teus.

    beijinho

    ResponderEliminar
  5. A reportagem está excelente! também estive lá dois dias antes do fim do ano e adorei andar por esses recantos que a cidade tem.
    Bjs

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.