segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Fim de semana em AVEIRO


Nem sempre a vida é como gostariamos que fosse, por vezes temos de tentar nos adaptar ao que ela nos vai apresentando. Assim, eu e o meu filho Pedro, fizemos uma viagem diferente do habitual, uma viagem especial para os dois, que nos permitiu conhecer uma cidade maravilhosa, Aveiro.



Este ano o Pedro passou o ano com umas belissimas notas e como gostava de lhe dar um miminho perguntei o que gostaria de ter, ao que respondeu que nada de especial. Como estamos sózinhos (o meu marido está a trabalhar fora do país)  e não tem sido nada fácil para nenhum de nós, eu pensei em algo pessoal e diferente, como passarmos os dois um fim de semana fora de casa. Ele adorou a ideia. Marquei pelo site da net  "Booking" o hotel e para completar esta nova experiência, decidi irmos de comboio.




Foi uma viagem muito agradável. Á chegada a Aveiro fomos ao quiosque das informações, mesmo em frente à estação ferroviária, pedir o mapa da cidade e saber quais os pontos de interesse a visitar. Começava uma aventura nova para o Pedro e para mim, pois nunca tinha feito nada deste genéro, antes de casada saía com os pais e depois sempre com na companhia do marido, agora era só eu e o meu filhote.






Como nos indicaram que o hotel ficava no final da Avenida Lourenço Peixinho e que não era longe, decidimos ir a pé.




Ao longo da avenida fomos apreciando as várias estátuas que parecem cumprimentar quem chega. Acabamos depois por verificar que a arte é uma constante por toda a cidade.






O hotel que tinha escolhido, o "Hotel Aveiro Palace" ficava no final da avenida, mesmo em frente a uma grande rotunda. Estava super bem localizado para passearmos a pé para todo o lado, tinha pessoal competente e muito simpático e o nosso quarto era acolhedor e com wi-fi grátis. Adoramos a estadia e recomendamos o hotel.






Depois de deixarmos as malas fomos almoçar e fazer um passeio pelos canais, nos tradicionais barcos moliceiros. Embarcamos mesmo em frente do hotel, junto ao edificio da Assembleia Municipal (Antiga Capitania).





O percurso passa por quatro canais. O canal Central, o Canal das Pirâmides, o Canal de S. Roque e o Canal do Cojo.

O canal Central  passa mesmo em frente às belas casas de arte nova.




O Canal das Pirâmides, foi construído no início do século XIX e vai desde o canal central até à zona da antiga Lota de Aveiro. O canal de S. Roque leva-nos pelo antigo bairro dos pescadores, onde se situavam também os armazéns de sal, passando por baixo da linda Ponte de Carcavelos.




O canal do Cojo conduz-nos no final até à antiga fábrica de cerâmica, hoje transformada no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro.






Os barcos moliceiros vão percorrendo os canais e eis que um guia divertido e simpático faz um adeus para a foto ...




De mochila às costas e mapa na mão, percorremos muitas das suas ruas e pracetas ...










Fomos observando os edificios e capturando a sua beleza através das fotografias ...














Um dos ex-libris é a Casa do Major Pessoa. Erguida por iniciativa de Mário Belmonte Pessoa em 1907, foi um projeto dos arquitetos Francisco Augusto da Silva Rocha e Ernesto Korrodi. Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1997. Em avançado estado de degradação, foi adquirida pela Câmara Municipal de Aveiro em 2004. Em 2008 foi convertida no Museu Arte Nova.




O detalhe ...


O interior ....





Uma visita imperdível era ao Museu de Aveiro ou Museu de S. Joana. Fundado em 1464 por Dom Brites Leitoa no antigo Convento de Jesus, da Ordem Dominicana feminina, é formado pela área monumental e pela exposição permanente. Com a extinção das Ordens religiosas é extinto o convento, que passa a funcionar como colégio até 1910. Em 1911 é destinado a Museu.








Um "tour" pelas Capelas e Igrejas da cidade ....




  • Igreja Nossa Senhora da Apresentação. Foi construída em 1606, encontrando na entrada dois bonitos paineis de azulejos.




  • Capela de S. Gonçalinho. Construída entre 1712 e 1714.




  • Capela de São Bartolomeu. Obra do Séc. XVI.




  • Capela de S. Roque. É desconhecida a data da sua construção.




  • Igreja de S. Domingos - Sé Catedral de Aveiro. Foi, outrora, a igreja do Convento de São Domingos e remonta ao séc. XV. Esta igreja foi convertida em Matriz da paróquia de Nossa Senhora da Glória em 1835. Em 1938 torna-se na Catedral da Diocese de Aveiro por bula do Papa Pio XI executada por D. João Evangelista de Lima Vidal.




Em frente ergue-se o bonito Cruzeiro em estilo gótico-manuelino, uma obra da época dos descobrimentos.




  • Igreja da Misericórdia. A sua construção foi iniciada em 1600 por Gregório Lourenço.




  • Igreja De S. João Evangelista das Carmelitas. Iniciou-se a sua construção em 1610 por D. Brites Lara.




  • Igreja de Santo António e Capela da Ordem Terceira de S. Francisco. Convento fundado em 1524.




Domingo de manhã começamos o dia com um passeio pelo Parque da Cidade ou Parque Infante D. Pedro. Começou a ser criado a partir de 1862 nos terrenos pertencentes ao Convento de Santo António. É um parque muito bonito (embora alguns locais se encontrem fechados para obras), um local tranquilo e por onde adoramos andar.























Como não guardar para sempre o encanto das flores ...





 




A arte das fontes, a leveza das aves ....





A noite tem um encanto especial ... mas trouxe também com ela uma sensação de tristeza e nostálgia ...








e com a nostágia vem a lembrança do lado menos bom da vida, e fico assim como estes pombinhos ...





Para complementar a nossa visita decidimos dar uma voltinha no autocarro turistico "CitySightseeing Portugal".








Igreja e Museu da Fábrica de Porcelana Vista Alegre.





A alegria do Pedro ...






Uma pausa para comer um crepe, beber um chá, descansar e ganhar forças para continuarmos a nossa aventura.




Chegou a hora de regressar. Foi um fim-de-semana completamente fora da nossa rotina, um fim de semana alegre e bem disposto numa cidade encantadora. Gostámos imenso, Aveiro é uma cidade linda que vale a pena visitar.






"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos." (Charles Chaplin)