quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Visita ao Palácio Nacional de Mafra e Tapada de Mafra



Quando o meu marido está em Portugal aproveitamos ao máximo para passear, é uma forma de estarmos realmente juntos. É claro que em casa também estamos, mas normalmente cada um se "vira" para o que mais gosta de fazer, e acabamos por não estar verdadeiramente em confraternização. Embora eu e o António já conhecessemos o Palácio Nacional de Mafra, eu não conhecia a Tapada de Mafra e o Pedro apenas tinha feito uma visita de estudo à Tapada,  por isso decidimos fazer uma "troca de conhecimentos" íriamos visitar o Convento e a Tapada.





O Convento de Mafra que é ao mesmo tempo Convento, Palácio e Basílica, é um dos mais imponentes e belos monumentos em estilo barroco em Portugal. A sua construção deveu-se a uma promessa que D. João V fizera no caso de a rainha D. Maria Ana de Áustria lhe desse um herdeiro, o que viria a acontecer tendo ele cumprido a promessa.







Embora inicialmente o projecto visasse abrigar apenas 13 frades franciscanos,  quando os trabalhos começaram em 17 de Novembro de 1717, já se pensava albergar 80 frades. 


Foto: Wikipedia_Jo


Na década de 1720, com a entrada em Portugal de grandes quantidades de ouro proveniente do Brasil, D. João V reformulou os seus planos para Mafra. Juntamente com o arquiteto-ourives alemão, Johann Friedrich Ludwig (Ludovice),  iniciaram planos mais ambiciosos, não se tendo poupado a despesas.




A construção empregou 52 mil trabalhadores e o projeto final acabou por abrigar 300 frades, um palácio real, umas das mais belas bibliotecas da Europa, decorada com mármores preciosos, madeiras exóticas e incontáveis obras de arte. A magnifica basílica foi consagrada no 41.º aniversário do rei, em 22 de Outubro de 1730, com festividades que duraram oito dias, ao som das melodias dos dois enormes carrilhões.




Com uma área de cerca 40 000 m2, o Palácio de Mafra compreende virada para a vila, a igreja, o palácio, dois claustros, o refeitório várias dependências e virado para a Tapada ficam ainda as celas conventuais, as oficinas e a Casa da Livraria.


Foto: skyscrapercity


Começamos a nossa visita pelo jardim interior, um espaço lindo e tranquilo. Nos claustros encontrava-se uma exposição de pintura.






Dos clautros também se pode aceder à Basílica




Subimos depois ao primeiro e andar e fomos apreciando calmamente as várias salas






Na área do convento podemos ver o estilo de vida bem humilde dos Monges Franciscanos, onde constava apenas o essencial.


A cozinha




Cela dos Frades




A enfermaria com várias celas e tendo ao fundo a Capela





Com as invasões francesas em 1807 a família real partiu para o Brasil tendo levado consigo as melhores mobílias e obras de arte. O mosteiro foi abandonado em 1834, após a dissolução das ordens religiosas. Durante os últimos reinados da Dinastia de Bragança, o Palácio foi utilizado como residência de caça. D. Maria Pia, visitava frequentemente o Palácio de Mafra, tendo mandado construir um elevador com acesso do rés-do-chão ao terceiro piso. Considerado o primeiro em Portugal, podia transportar até dez pessoas e ao qual comummente se apelidava de “ caranguejola”. Daqui saiu também em 5 de Outubro de 1910 o último rei D. Manuel II para a praia da Ericeira, onde o seu iate real o conduziu para o exílio.




No andar superior, as sumptuosas salas do palácio estendem-se ao longo de todo o comprimento da fachada ocidental, com os aposentos do rei numa extremidade e os da rainha na outra, a 232 m de distância.











Existem salas extraordinárias como a sala da música (sala amarela) ou a sala de jogos.







Sendo a caça uma das actividades eleitas pela família real, criaram uma sala no Palácio decorada só com elementos alusivos à caça.







A arte na madeira deste belissimo armário-louceiro.




Máquina de ferro fundido para afiar e limpar facas





Fontes / Lavabos em faiança - peças de arte lindas.






Interessantes os sanitários ...





O maior tesouro de Mafra é a sua biblioteca, com chão em mármore, estantes em estilo rococó e uma coleção de mais de 36.000 livros com encadernações em couro gravadas a ouro,graças à acção da Ordem Franciscana, incluindo uma segunda edição de Os Lusíadas de Luís de Camões. Obra de Manuel Caetano de Sousa foi construída entre 1771 e 1794. Tem 88 m de comprimento, 9.5 de largura e 13 de altura. O magnífico pavimento é revestido de mármore rosa, cinzento e branco. As estantes de madeira estilo rococó, situadas em duas filas laterais, separadas por um varandim contêm milhares de volumes encadernados em couro, testemunhando a extensão do conhecimento ocidental dos séculos XIV ao XIX.





Os guardiões especiais da biblioteca, "os morcegos", ajudam na preservação dos livros, alimentando-se à noite de insectos que acabariam por os degradar.




Localizada no centro da imponente fachada fica a basílica coberta por uma cúpula e rodeada por duas  torres sineiras.





O interior da igreja é forrado a mármores italianos e portugueses, está dividido em três naves, possui várias capelas com cerca de 450 esculturas de mármore e tem 18 portas. Está equipado com seis órgãos do princípio do século XIX, com um repertório exclusivo que não pode ser tocado em mais nenhum local do mundo.


 



O átrio da basílica é decorado por belas esculturas da Escola de Mafra, criada por D. José I em 1754. O Palácio possui ainda dois carrilhões, mandados fabricar na Antuérpia por D. João V, com um total de 92 sinos que pesam mais de 200 toneladas e são considerados os maiores e melhores do mundo.


Vestíbulos





Uma janela para a Vila



Era hora de almoço e decidimos ir comer no "Restaurante - Bar Sete Sóis" um restaurante na Praça mesmo em frente ao Palácio de Mafra. Adoramos a comida e o atendimento.






Após o almoço fomos visitar a Tapada de Mafra. Existem várias atividades possiveis, nós fomos fazer o circuito de comboio. Foi muito agradável e o nosso guia, o Pedro, era excelente.








Após a visita fomos assistir a um bonito espectáculo de Falcoaria da responsabilidade da AmbiFalco.






E no final podemos tirar fotos com a ave que mais apreciámos.






Palácio e Tapada de Mafra, locais deslumbrantes que merecem sem sombra de dúvida uma visita.

Texto explicativo: Wikipedia
Fotos: Wikipedia; skyscrapercity; Fotos Pessoais

2 comentários:

  1. Excelente reportagem! Definitivamente temos de ir conhecer o interior do Convento de Mafra e passear pela Tapada. É possível fazer caminhadas, de forma independente na Tapada, ou é obrigatório levar guia?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. É de facto um monumento magnífico que nunca me canso de visitar e de fotografar. Parabéns pela reportagem e pelo blogue.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.