domingo, 10 de julho de 2016

Viagem à HOLANDA - Westerkerk e CASA de Anne Frank




Da minha visita a Amesterdão já mostrei, o Jardim Keukenhof, Museumplein, a Praça Dam, Oude Kerk, a Praça Nieuwmarkt e hoje vamos até à Casa Museu Anne Frank.




Fica situada em Prinsengracht, nos números 263-267. Quando lá chegamos estava um fila imensa (levámos cerca de 45 minutos até entrar) e pouquissimo tempo depois começou a chover granizo, mas ninguém arredou pé, quem estava ali tinha um objetivo definido, ir ver este local tão especial.




Enquanto estavamos na fila, fomos observando a Igreja Westerkerk. Westerkerk é a maior igreja protestante da Holanda. Foi construída entre 1620 e 1631 em estilo renascentista, de acordo com desenhos do arquiteto Hendrick de Keyser (1565-1621), tendo sido concluída e completada pelo seu filho Pieter de Keyser (1595-1676). Foi inaugurada em 8 de junho de 1631, encontrando-se aqui sepultado o grande pintor Rembrandt van Rijn. A sua torre é a mais alta torre de igreja de Amesterdão com 87 metros de altura.






A Westerkerk está localizada perto da Casa Museu de Anne Frank e é mencionada com frequência no seu diário, onde ela descreve como o repique do carrilhão, era uma fonte de conforto.





Dentro do museu não é permitido tirar fotografias, as que apresento são as constantes do livro e do folheto explicativo que se encontra disponivel à entrada.





O museu abriu no dia 3 de maio de 1960. O esconderijo está preservado, contendo documentos históricos, fotografias, o dário original, os seus cadernos e folhas, bem como uma maquete de como eram os quartos e salas no tempo de Anne.
Hoje, as salas estão vazias, pois após terem sido presos, o Anexo foi esvaziado pelos nazis. Quando a casa se tornou Museu, por indicação de Otto Frank, as salas deveriam permanecer assim, vazias, simbolizando o vazio de milhões de pessoas que foram levadas e nunca mais voltaram.

Reconstrução do quarto de Anne


O esconderijo ficava num anexo do número 263 de Prinsengracht onde o pai de Anne, Otto Frank, tinha um negócio. Acedia-se ao anexo por uma porta escondida atrás de uma estante de livros que era amovível.




Anne e a sua família, bem como mais outras quatro pessoas judias (a familia an Pels e Fritz Pfeffer), estiveram aí escondidos durante mais de dois anos, tentando escapar da perseguição nazi, durante a Segunda Guerra Mundial. Foram ajudados pelos funcionários do escritório e colaboradores, Victor Kugler, Miep Gies, Johannes Kleiman e Bep Voskuijl, que lhes forneciam os alimentos, roupas, livros e jornais.






Vamos percorrendo as divisões, são passados pequenos filmes que ajudam a ilustrar os acontecimentos que decorreram naquele lugar e naquela epóca. Numa das paredes, encontramos as marcas feitas por Otto e Edith, que mostram a evolução do crescimento de Anne e da sua irmã. Em dois anos, Margot cresceu cerca de cinco centímetros e Anne mais de treze centímetros.




Durante todo o tempo que estiveram escondidos, Anne ía escrevendo no diário os seus pensamentos, o que acontecia no seu dia-a-dia, bem como pequenas histórias e frases que lia noutros livros.

O seu maior desejo era ser uma grande escritora, queria publicar um livro, depois da guerra, sobre a sua vida no Anexo Secreto.

"Quero continuar vivendo, mesmo depois de minha morte", escreveu Anne Frank. 

O que Anne não poderia imaginar, é que o seu diário iria ser um dos livros mais lidos em todo o mundo.




A 4 de Agosto de 1944, o esconderijo foi descoberto e todas as pessoas que lá se encontravam escondidas, foram deportadas para vários campos de concentração. Foram também presos os colaboradores Johannes Kleiman e Victor Kugler, Miep Gies e Bep Voskuijl não sofreram represálias.

Após a detenção dos clandestinos, Miep e Bep encontraram no Anexo Secreto, os diários, cadernos e as folhas soltas escritas por Anne. Miep escondeu tudo e após a guerra, depois de saber que Anne não tinha sobrevivido, entregou tudo ao seu pai Otto.

Dos oito clandestinos apenas sobreviveu à guerra o pai de Anne, Otto Frank.




Otto Frank decidiu publicar o diário de Anne e no dia 25 de junho de 1947, saiu a primeira edição em holandês.

" O que passou já não podemos mudar. A única coisa que podemos fazer é aprender com o passado e compreender o que significa a discriminação e a perseguição de gente inocente. A minha opinião é que todos temos a obrigação de combater os preconceitos "

Otto Frank, 1970




Próximo post: Zaanse Schans, a vila dos Moinhos.

3 comentários:

  1. Uma poostagem soberba!

    Bom Domingo. Beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Bela reportagem, fiquei a saber mais sobre essa menina corajosa, fotos lindas, bjs e boa semana

    ResponderEliminar
  3. Boa noite, querida Maria!
    Um dos posts mais lindos que já li sobre a menina escritora e que me encnatou ao ler seu diário.... me identifiquei muito com seus textos cheios de profundidade para tão tenra idade...
    Obrigada pela excelente partilha... adorei!
    Bjm muito fratenro

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.