terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Lisboa



Lisboa é a minha cidade, para mim é uma das mais bonitas. Moro perto do Parque das Nações uma zona que há uns anos atrás era velha e degradada e que ganhou uma vida e alma nova com a realização da Expo 98. Tornou-se na zona mais moderna de Lisboa, aqui surgiram imensas estruturas, como a Torre São Rafael e Torre São Gabriel, ambas com 110 metros de altura. As principais atrações são: o Oceanário de Lisboa, o Pavilhão Atlântico, o Pavilhão de Portugal, a Torre Vasco da Gama, a Ponte Vasco da Gama e a Gare do Oriente, do arquitecto Santiago Calatrava.




Lisboa ergue-se nas suas 7 colinas sobre o rio Tejo, capital de Portugal desde a sua conquista aos Mouros em 1147 é também a capital do Distrito e da Área Metropolitana de mesmo nome. Lisboa é uma cidade lendária com mais de 20 séculos de história. É a cidade mais ocidental do continente europeu. O Tejo e o Sol, quase sempre presentes, tornam-na num espelho de luz e cor.


São muitos os pontos turístos que Lisboa tem para oferecer a quem a visita, como o Castelo de S. Jorge, de onde se avista Lisboa em toda a sua magnificência, passando pela velha Mouraria, pela Sé Patriarcal, pela Baixa Pombalina, a Basílica da Estrela, a Torre de Belém, construída na época dos Descobrimentos, o Mosteiro dos Jerónimos classificado pela UNESCO como "Património Cultural de toda a Humanidade. É uma cidade fascinante que convida claramente quem a visita a descobrir todos os seus encantos.



A Baixa Pombalina é o "coração" da capital. Foi edificada sobre as ruínas da antiga cidade de Lisboa, destruída pelo grande Terramoto de 1755. Os seus autores foram Manuel da Maia e Eugénio dos Santos e a decisão política deve-se ao Marquês de Pombal, ministro d'El Rei D. José I. A Baixa é também a maior zona comercial da cidade de Lisboa. Nas proximidades e com interesse histórico são ainda a Praça dos Restauradores e o Elevador de Santa Justa, projectado em finais do século XIX por Mesnier du Ponsard. Na baixa localiza-se também a Praça do Comércio (Terreiro do Paço), o Rossio, ou Praça Dom Pedro V, Chiado, o Convento do Carmo e a Praça dos Restauradores.


Em Lisboa diferentes culturas foram-se encontrando e criando laços, ela é palco de inúmeros eventos culturais, nacionais e internacionais. Possuí mais de uma centena de Parques, Jardins e Quintas sendo o Parque Florestal de Monsanto o maior e o mais importante parque da cidade, considerado o seu "Pulmão Verde". Falar de Lisboa é falar de uma cidade vibrante e encantadora.


A visitar:
Dos edifícios pombalinos da Baixa, com fachadas de azulejos, às estreitas ruas medievais dos Bairros típicos de Alfama e do Bairro Alto, onde à noite se pode ouvir o fado e usufruir de um divertida vida nocturna, aos inúmeros museus e lojas, Lisboa é uma cidade com várias opções, vou referir apenas alguns que considero imperdíveis:

Alfama
Alfama é um dos bairros mais típicos de Lisboa, com a sua arquitectura típica cidade árabe e medieval com ruas estreitas, sendo um dos poucos sítios de Lisboa que sobreviveu ao Terremoto de Lisboa de 1755. Dos miradouros das Portas do Sol e de Santa Luzia, a vista é fabulosa. Por cima e envolvendo Alfama ficam a colina do Castelo de São Jorge, fortaleza e palácio real até ao século XVI, e a colina de São Vicente, coroada pela imponente fachada da Igreja de São Vicente de Fora e pela cúpula da Igreja de Santa Engrácia. Para sudeste o vasto mar da Palha (rio Tejo) domina o horizonte, conferindo um carácter marítimo a Alfama. Mais a oeste ficam as torres gémeas da Sé. É em Alfama que se encontram a maioria das casas de Fado, onde se pode desfrutar de vários espectáculos ao vivo, aqui se festeja com fervor e alegria os Santos Populares no mês de Junho, em especial o Santo António.


Bairro Alto
O Bairro Alto é outro dos bairros típicos de Lisboa, situa-se no centro da cidade, acima da baixa pombalina em pleno centro histórico. Aqui é obrigatório visitar a Igreja de S. Roque, no Largo Trindade Coelho, também conhecido por Largo da Santa Casa. A Igreja, de acordo com a tipologia jesuíta apresenta uma fachada sóbria e austera, e um amplo e rico espaço interior, composto por oito capelas, agrupadas quatro a quatro, profusamente decorada a talha dourada e mármore. O plano da Igreja é da autoria do conceituado Arquitecto Filipe Terzi, constituindo o tecto da Igreja o único exemplar em Lisboa que resta dos famosos grandes tectos pintados do período Maneirista, atribuído aos pintores Francisco Venegas e Amaro do Vale. O Bairro Alto é zona de comércio, habitacional e é uma das principais zonas de divertimento nocturno da capital.


O Mosteiro dos Jerónimos é habitualmente apontado como a "jóia" do estilo manuelino. Este estilo exclusivamente português, integra elementos arquitectónicos do gótico final e do renascimento, associando-lhe uma simbologia régia, cristológica e naturalista, que o torna único e digno de admiração. Este monumento, com uma extensa fachada de mais de trezentos metros, obedece a um princípio de horizontalidade que lhe confere uma fisionomia calma e repousante. Em 1907 foi declarado Monumento Nacional e em 1984 foi classificado pela UNESCO como "Património Cultural de toda a Humanidade".





Padrão dos Descobrimentos
Inaugurado em 1960, o edifício actual, em betão e com esculturas em pedra de lioz, é uma réplica do original, construído em materiais perecíveis para a Exposição do Mundo Português, em 1940, pelos arquitectos Cottinelli Telmo e Leopoldo de Almeida. O Padrão possui um auditório e diversas salas para exposições temporárias, e é possível subir ao topo da construção, de onde se obtém uma bela vista do Tejo e do lado ocidental da cidade. No chão fronteiro à entrada, vê-se uma enorme rosa-dos-ventos, em mármores de várias cores, representativa da odisseia dos Descobrimentos. Em frente ao Padrão dos Descobrimentos, fica o edifício do Espelho de Água, também ele construído para a Exposição de 1940, a qual motivou ainda os arranjos do jardim da Praça do Império, em estilo greco-romano, e a construção da Fonte Luminosa que lhe fica no centro.




A Torre de Belém foi construída na época dos Descobrimentos (quando a necessidade de defesa se tornou imperativa) em homenagem ao santo patrono da cidade, S. Vicente. Ficou pronta em 1520 e, como símbolo do prestígio do Rei, apresenta uma decoração que ostenta a simbologia própria do Manuelino – calabres que envolvem o edifício, rematando-o com elegantes nós, esferas armilares, cruzes da Ordem Militar de Cristo e elementos naturalistas. A Torre de Belém é uma referência cultural, foi classificada pela UNESCO como "Património Cultural de toda a Humanidade" em 1983.




Praça do Comércio
De costas voltadas para o Rio Tejo, a praça outrora conhecida por Terreiro do Paço da Ribeira, apresenta-se em quadrado, com um dos lados aberto a Este. Os outros três lados, formados por edifícios de arcadas, terminam junto ao rio. A Norte, situa-se o Arco da Rua Augusta, inspirado no Arco do Triunfo de Paris e no centro da praça ergue-se a estátua equestre de D. José I, rodeada de figuras que representam a vitória da reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755. É na Praça do Comércio que se situa o café mais antigo de Lisboa, o Martinho da Arcada, do qual é indissociável a memória de Fernando Pessoa.

Foto: wikipedia_Lee Cannon

Miradouro do Castelo de S. Jorge
Segundo os testemunhos históricos, este foi o primeiro miradouro natural e situa-se no cabeço de um monte, onde está implantado o Castelo de S. Jorge. Daqui, pode-se desfrutar de uma privilegiada panorâmica sobre a paisagem urbana de Lisboa.


Entre os Museus destacam-se o Museu Nacional de Arte Antiga, com uma das mais importantes colecções de pintura medieval mundiais, o Museu Nacional dos Coches, o Museu Calouste Gulbenkian com uma colecção de seis mil peças de arte antiga e moderna, o Museu da Electricidade com uma exposição onde se mostra a produção de energia e a maquinária da antiga Central Tejo misturando ciência e diversão, e o Oceanário de Lisboa, com a sua impressionante colecção de espécies vivas.

Museu Nacional dos Coches
Considerado um dos melhores do mundo na sua especialidade, o Museu Nacional dos Coches mostra aos visitantes carros da Casa Real Portuguesa e Carruagens de Gala dos séculos XVI a XIX, arreios de cavalaria e de tiro, fardamentos do pessoal da Casa Real, uma colecção de trombetas e retratos a óleo de membros da Família Real Portuguesa.


Foto: wikipedia

Parque Eduardo VII
O Parque Eduardo VII localiza-se no cimo da Avenida da Liberdade e constitui, não só um importante marco da evolução urbana, como também um local de onde se pode ter uma excelente vista panorâmica sobre a cidade. Neste parque encontram-se uma série de atractivos, com especial destaque para o Pavilhão Carlos Lopes, a Estufa Fria, o Clube VII (com campo de ténis, ginásio, piscina e restaurante), sem contar com os atractivos naturais.



Basílica da Estrela
A Basílica da Estrela, é uma igreja do século XVIII, com duas torres sineiras, onde se podem ver pinturas de Batoni e Pedro Alexandrino. A Basílica da Estrela nasceu da devoção de D. Maria I ao culto do Sagrado Coração de Jesus. Em 1760, quando se casou com o Infante D. Pedro, a ainda princesa, fez um voto ao Santíssimo Coração, de lhe erguer uma igreja e convento para as religiosas da Regra de Santa Teresa, se tivesse um filho varão.

 Foto: wikipedia_Carlos Luis Cruz (talk)


Nos arredores da cidade e fazendo parte do Distrito de Lisboa, Sintra merece uma visita por todo o seu ambiente romântico, para o qual contribuíram em muito variados escritores da literatura internacional.

Saliente-se como pontos de interesse:

Este castelo, construído pelos Mouros, situa-se em dois cumes da Serra de Sintra, rodeado por muralhas de diversas torres. Para além de constituir um espectáculo por si mesmo, o Castelo dos Mouros presenteia quem o visita com uma vista panoramica espectacular.

Foto:wikipedia_Flickr_Rei-Artur


Constituído por vários corpos edificados ao longo de sucessivas épocas, é um dos mais importantes exemplares portugueses de arquitectura relenga e foi, por essa razão, classificado Monumento Nacional. É dominado por duas grandes chaminés geminadas que coroam a cozinha e constituem o "ex-libris" de Sintra.

Foto: wikipedia_MartinPutz

Este palácio remonta a 1839, altura em que o rei consorte D. Fernando II de Saxo Coburgo-Gotha adquiriu as ruínas do Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena para o adaptar a um palacete. A arquitectura da Pena, inspirada nos palácios da Baviera, reúne influências mouriscas, góticas e manuelinas.

Foto: wikipedia_Tania Fonseca

Cabo da Roca (Sintra)
Este miradouro é conhecido como o ponto mais ocidental da Europa e situa-se no extremo final da Serra de Sintra. É aqui que a zona montanhosa, com 150 metros de altura, acaba para dar lugar ao mar.


Foto:wikipedia_Szilas

Na vila de Sintra, passeiam-se carruagens de cavalos que conduzem os turistas pelas maravilhosas quintas com séculos de histórias.

São de salientar também o Palácio de Queluz, o Convento de Mafra o maior monumento religioso de Portugal, Cascais, Estoril ou ainda Ericeira, entre os vários dos destinos turísticos de eleição desta região.

Convento de Mafra

O que comer
A Região de Lisboa tem um rico património gastronómico. A proximidade da costa, ditam a predominância de peixe fresco e marisco nos pratos da região. É o caso das sardinhas assadas, as amêijoas "à Bulhão Pato", sopas de peixe "à fragateira" e variados pratos à base de bacalhau. Nos pratos de carne o famoso Bife à Café, é um dos "ex.líbris" alimentar da capital. Entre a sortida doçaria, os pastéis de Belém são imperdíveis. Outras especialidades típicas do distrito são os queijos de cabra e de ovelha do Sobral de Monte Agraço e de Azeitão, os folhados da Malveira e o "pão de ló" de Loures, os saborosos doces de noz e ovos de Cascais, as "queijadas" de Sintra; os vinhos de Colares, Bucelas, Setúbal, Carcavelos e o vinho "moscatel" de Setúbal.

Locais possíveis Onde pode Dormir:
Hotel Tivoli Oriente, este fantástico hotel está situado no Parque das Nações, dominando o rio Tejo e toda a zona envolvente, brindando os seus convidados com toda a energia, tecnologia, arte e hospitalidade que caracterizam a capital portuguesa.



Foto: www.distinctiveportugal.com

Hotel Apartamento Suites do Marquês, Av. Duque Loulé , Lisboa
Hotel Dom Pedro Palace, Av. Eng. Duarte Pacheco, Lisboa
Hotel Marquês de Pombal , Avenida da Liberdade, Lisboa
Hotel Tivoli Lisboa Avenida da Liberdade, Lisboa
Albergaria As Janelas Verdes, Rua das Janelas Verdes, LISBOA
Pousada de Juventude de Lisboa - Parque das Nações
Parque de Campismo Municipal de Lisboa, Estrada da Circunvalação

Lisboa e o fado
Afinam-se as guitarras. A luz baixa. «Silêncio, que se vai cantar o fado!». É assim que as noites começam em Lisboa. Foi nos bairros históricos da Mouraria, Alfama, Bairro Alto e Madragoa, que nasceu o fado. Ligado à fatalidade do destino, à noite e ao desencontro, foi partilhado por fidalgos, vadios e marinheiros, cantado de forma sofrida e intensa. Também se cantou na versão mais alegre, a falar de conquistas, dos amores e das vivências de cada bairro que José Malhoa, o pintor do Fado tão bem imortalizou nas suas telas.
Perto da Madragoa pode-se conhecer a Casa onde Amália viveu, hoje um museu. Foi a mais carismática das fadistas. Com grande presença em cena e natural noção do espectáculo, levou o Fado além fronteiras e a ela devemos a imagem do clássico vestido preto com xaile.

A não perder é uma ida a um Restaurante ou Casa de Fado. Sempre com decoração a condizer, são os melhores locais para o ouvir. Com uma atmosfera muito particular, passar uma noite à luz das velas ao som desta melodia é uma experiência única e inesquecível.

Foto: www.lisboanoguiness.com

Festas e Romarias
A cidade de Lisboa festeja o seu santo padroeiro, todos os anos, durante o mês de Junho. A Noite de Santo António, como é popularmente designada, é a festa que começa logo na noite do dia 12. O seu culto está associado a ritos de fertilidade daí ser tradição os jovens queimarem alcachofras para saber do futuro dos seus amores e pedirem a sua protecção. Dada a fama de santo protector contra todos os males e também a de ser casamenteiro, os poderes públicos instituíram, a partir dos anos 50, a tradição das Noivas de Santo António. Mas, o auge das Festas de Santo António são as Marchas Populares, que representam os diversos bairros lisboetas. Este acontecimento leva milhares de espectadores á Avenida da Liberdade. A festa acaba com os arraiais montados nos mais típicos bairros de Lisboa, em especial em Alfama e na Madragoa, onde o centro das celebrações é a sardinha assada e a sangria.


Verdadeira Princesa do Tejo, Lisboa é a uma Cidade Maravilhosa, cheia de encantos e beleza, que conta história em cada recanto e oferece a quem a visita, cultura, museus, diversão, gastronomia e toda a agitação de uma capital europeia moderna. Enfeitiçada por uma luz deslumbrante convida a passear e usufruir o que a natureza e a criação humana foram moldando ao longo de séculos.

Venha visitar a minha cidade, Vale a pena.



Fotos e Fontes: Wikipedia; http://www.guiadacidade.pt/; http://www.cm-lisboa.pt/; http://www.portugalvirtual.pt/; http://www.visitlisboa.com/; Treakearth; Fotos Pessoais; outros

Sempre que viajamos seja física ou virtualmente (através por exemplo da leitura), alargamos os nossos horizontes, pois vamos conhecer novos locais, novos costumes, novas realidades e gentes. Aumentamos o nosso conhecimento e enriquecemos interiormente.

domingo, 13 de dezembro de 2009

França - République Française - French Republic


Por vezes não é possível viajar, as razões podem ser várias, falta de dinheiro, de saúde, idade avançada, enfim podem existir diferentes factores e motivos. No entanto, isso não deve ser impeditivo de conhecer novos locais e costumes, podemos viajar sem sair da nossa cadeira, vendo fotografias que nos transportam, se assim a nossa predisposição quiser, a lugares longínquos. Para todos os que gostam de viajar, nem que seja através da imaginação, vou passar a colocar no meu blog fotos e informações, que nos vão permitir conhecer um pouco mais outras terras e culturas.

Hoje vamos viajar até França.

Boa viagem!

Foto: 1ms.net

A França pode ser considerada uma das mais influentes nações do mundo ocidental. Lugar da liberdade, igualdade e fraternidade. Famosa pela sua literatura, gastronomia, arte, vinhos e moda.


Foto: www.fanpop.com


Faz fronteira a leste com a Alemanha e Suíça; a sudeste com a Itália e a sudoeste com a Espanha e Andorra; a norte faz fronteira com a Bélgica e Luxemburgo; a oeste é limitada pelo oceano Atlântico e a sul por Mónaco e pelo mar Mediterrâneo.


Foto: www.zoom.net

O idioma oficial é o Francês e a sua moeda é o euro.
O clima é oceânico (a oeste), mediterrâneo (ao sul) e continental (centro e leste).
Tipo de Governo: República democrática.

A bandeira nacional da França (também conhecida como a tricolor ou bleu, blanc, rouge), tricolor em três faixas verticais (azul, branca e vermelha), simboliza a Revolução Francesa (1789), sendo que o azul representa o poder legislativo, branco o poder executivo e o vermelho o povo, os três "dividindo" igualmente o poder. Lembrando do lema francês, as cores representam também Liberdade (Liberté), Igualdade, (Égalité) e Fraternidade (Fraternité), na ordem da bandeira, "método" também usado na moeda francesa.


O Brasão da França virou símbolo nacional da França em 1953, porém, ele não tem nenhum estatuto como brasão de armas. Ele aparece na capa dos passaportes franceses e foi originalmente adoptado pelo Ministério das Relações Exteriores como símbolo para uso nas missões diplomáticas e consulares em 1912 usando um design desenhado pelo escultor Jules-Clément Chaplain.




Uma ampla variedade de Religiões é praticada na França, pois a liberdade de culto é um direito assegurado na Constituição.


Economia A França encontra-se em um processo de transição de uma economia com forte intervenção governamental para uma economia mais liberal. Muitas empresas estatais foram privatizadas, mas o governo ainda detém o controle maioritário de várias empresas importantes, como a Air France, France Telecom, Renault e Thales. Destaque para a indústria automobilística, aeronáutica, alimentícia e uma agropecuária intensiva e extensiva. É de salientar também as indústrias mecânicas, elétricas e químicas, com grande concentração de capitais, geralmente situadas perto dos centros urbanos. A França é um dos países mais industrializados do mundo, encontrando-se os seus produtos espalhados por lojas e casas de todo o planeta. Um dos sectores que movimentam a economia da França em grande escala, é o turismo, fazendo da França o país que mais recebe turistas por ano.

Foto: 1ms.net


A Gastronomia Francesa é uma cozinha de mil facetas. França é o berço da boa mesa e dos mais famosos “chefes”. A gastronomia francesa faz parte do património nacional. Cada região pode oferecer a sua especialidade, desde a cozinha caseira à vanguardista, ligeira ou muito tradicional, como Cordeiros, ostras e Camembert na Normandia; foie gras e trufas em Périgord; ou peixes elaborados das mais diferentes maneiras nas regiões de Provence e do Languedoc.

Foto: 1zoom.net

A capital é Paris a cidade que é uma festa. Paris é chique, boêmia, histórica, moderna, artística, intelectual, revolucionária. romântica,... Já foi dito que “Paris vale uma missa” (Henrique IV), que “Paris é uma festa ambulante” (Ernest Hemingway), que “Em Paris, a arte é uma filosofia” (Elisabeth Barrett Browning)...


Foto: http://www.hdwallpapersnew.net

Paris é a capital económica e comercial da França, onde os negócios da Bolsa e das finanças se concentram. A densidade da sua rede ferroviária, rodoviária e da sua estrutura aeroportuária fazem-na um ponto de convergência para os transportes internacionais. Pelo seu considerável papel político e económico, Paris é também uma cidade importante na história do mundo, ocupando também um lugar preponderante no mundo da moda e do luxo.

Foto: http://www.globeimages.net


As principais atracções turísticas da cidade são:
● A Torre Eiffel Uma estrutura revolucionária construída por Gustave Eiffel (1832-1923) para a Exibição Universal de 1889, é considerada actualmente o principal símbolo da cidade., o Reino da Magia e da Fantasia. Disneyland Paris encontra-se a 32 quilômetros ao leste da Cidade da Luz, em Marne-la-Valle, ocupando um área de aproximadamente 2.000 hectares nas que se distribuem o Parque Temático, 6 hotéis, uma "vila" de cabanas em meio de um bosque, restaurantes, bares e lojas, além do Festival Disney e um campo de golf.

Foto: 1ms.net


● A avenida Champs-Élysées, uma das mais largas avenidas do mundo, e uma das mais famosas. Nelas ficam diversas embaixadas, escritórios, hotéis de luxo e várias lojas consideradas as mais luxuosas de Paris. Estas concentram-se principalmente no chamado Triangle dOr (“triângulo de ouro”), formado pelas avenidas Montaigne, François I e Champs-Élysées.

● O Arco do Triunfo - na Place Charles de Gaulle (acima). Encomendado por Napoleão após sua vitória em Austerlitz, foi concluído em 1836.


Foto: www.wallpaperup.com

● O Centro Georges Pompidou, a atracção turística mais visitada da cidade.

● O Montmartre - uma área histórica da cidade, onde se localiza a Basílica de Sacré Cœur, e famosa pelo seus cafés, seus estúdios e nightclubs, como o Moulin Rouge.

Foto: 1zoom.net

● A Catedral de Notre-Dame - famosa catedral gótica localizada no centro da cidade.

● O Museu de Orsay - Museu que reúne importante colecção de arte impressionista e foi, no passado, uma estação de trem. Com a sua desativação, foi quase demolida, mas por protestos foi transformada em museu.

Foto: wikipedia_TCY

● O Museu da arte e história do Judaísmo

● O Museu do Louvre - famoso por abrigar o quadro Mona Lisa



● O Panthéon - uma antiga igreja, famosa por abrigar os restos mortais de vários franceses famosos.

O Quartier Latin - Na margem esquerda do rio Sena.


Foto: www.freewallpaper.net


Ao se visitar Paris, é imprescindível dar um saltinho até à Disneyland Paris



Cultura
Paris tem um lugar privilegiado no âmbito artístico e cultural a nível mundial nos últimos séculos. Nasceram na cidade movimentos artísticos como o expressionismo, o surrealismo e o fauvismo e importantes figuras da arte e pensamento como René Descartes, Voltaire, Victor Hugo, Émile Zola, Alexandre Dumas (filho), Edgar Degas, Claude Monet, Jean-Paul Sartre, Jean Renoir, Louis Malle, Henri Cartier Bresson, Simone de Beauvoir, Edith Piaf. Também acolheu a numerosos artistas estrangeiros como Luis Buñuel, Leonardo da Vinci, Vincent van Gogh, Pablo Picasso e a escritores como Ernest Hemingway, Gabriel García Márquez, Mario Vargas Llosa, Samuel Beckett, Julio Cortázar, Francis Scott Fitzgerald, Joyce, Oscar Wilde e outros.


Foto: wikipedia_TCY


Paris é, uma das mais glamorosas e cativantes capitais europeias. É uma cidade verdadeiramente cosmopolita, onde a atmosfera sonolenta de Montmartre contrasta com a moderna arquitectura de La Defense e a multiplicidade de mercados e pequenas lojas rivaliza com o cosmopolitismo das boutiques dos mais famosos estilistas do mundo. A Cidade das Luzes encanta, também, pela sua história, beleza da arquitectura, fantásticos museus, pelas suas imensas avenidas e encantadores jardins, pela sua rica vida cultural, mas a França oferece paisagens variadas e atraentes, que vão das regiões montanhosas dos Alpes à ensolarada costa mediterrânea.




Foto: 1ms.net

Outros Locais a visitar:


Vale de Loire
O extraordinário número de castelos no Vale do Loire (Valée de la Loire) explica-se pelo facto de a região ter sido um dos locais favoritos dos reis e da aristocracia francesa desde a Idade Média. Os castelos mais antigos são medievais e foram de facto fortalezas, enquanto os mais recentes são palácios renascentistas e clássicos, destinados ao lazer e rodeados de magníficos jardins. O Vale do Loire é famoso também pela culinária e pelos vinhos. Diversas vinícolas são abertas para degustação de seus vinhos.
Se gosta de uma esta atmosfera de conto de fadas faça um percurso pelos castelos mais atrativos da zona como o de Ussé, Azay-le-Rideau, Saché e Villandry. Cada um têm sua lendária história, possui um interpretação própria dos estilos arquitetónicos da época em que foram construídos e oferecem uma evasão da agitada vida presente e ordinária.

Bretagne
A zona de Bretanha está dividida em duas partes: a marítima e a de bosques, que vai diminuindo em intensidade a medida que se une ao vale do Loire.
Na parte costeira, no Golfo de Saint Malo, uma pequena ilha alberga os restos de Chateaubriand, enquanto que o povoado de Saint Malo é uma espécie de "Cidade corsário" medieval, murada, com um castelo majestoso embora sóbrio no interior.
Por outro lado, Dinard outra cidade Bretã, contrasta em este estático mundo medieval com suas amplas praias e lugares de ambiente luxuoso e moderno.
Aldeias de traço medieval harmoniosamente inscritas na paisagem, portos pesqueiros com tabernas animadas por cantos marinheiros, festas de celebração da cultura celta, com danças e cantos na língua bretã. Eis um dos retratos possíveis da velha Bretanha, França, numa viagem à pátria do resistente Astérix e do mago Merlin.


Normandie
O litoral normando é precioso. Altos e majestosos precipícios cor areia, quase branco, coroam as praias de areia cinzento onde têm-se estabelecido centros de recreio, mosteiros como o de Fécamp, balneários como Dieppe que têm a honra de ser o mais antigo da França, restaurantes onde os peixes se cozinham de variadas formas e banham o ambiente com seus cheiros de mar.
As costas normandas têm nomes femininos como Nácar, Florida e Gracia. A Costa de Gracia tem mantido o seu carácter medieval, com a sua igreja de madeira, as suas velhas casas e as suas docas pintados por Monet. Em contraste, a Costa Florida oferece um mundo mais cosmopolita, mais elegante, mais visitado; conta com casinos e centros de recreio, assim como a vida citadina de Deauville


Cote D’Azur
Com menos de 150 km de extensão, esse trecho da costa leste abriga as cidades mais famosas e badaladas do país, como Nice, capital da região, Cannes, famosa pelo seu festival de cinema, e St. Tropez, conhecida principalmente por ser reduto de vários artistas.
Nice é a cidade grande, constantemente assediada pelos viajantes. O Boulevard Promenais des Anglais, cheio de palmeiras, é o primeiro encontro com a cidade. A um lado, o mar rompe em suas praias e precipícios rosados, do outro, as construções de romanos e cristãos de várias épocas anunciam a chegada a um lugar acolhedor.
Uma das partes mais pitorescas de Nice é sua cidade velha, à qual pode-se chegar cruzando a Praça Masséna. Nesta parte está a Opera, construída no século XIX e o Cours Saleya, mercado de rua, que pela tarde converte-se num atractivo mercado floral. Do lado da doca encontram-se antigas casas de pescadores que têm-se convertido na zona boêmia de Nice ao transformar-se em pequenos museus, cafés, bares e lojas de arte.


Provence
Sendo França um país fundamentalmente de vales e bosques, a Zona Mediterrânea põe um acento diferente, muito mais quente e colorido. Parte dos Alpes corresponde a esta zona, embora trata-se de montanhas mais baixas. Sol e natureza selvagem se fundem numa paisagem deslumbrante. Por um lado as montanhas e os rios e pelo outro a costa com o mar. Cidades com história, vestígios artísticos dos romanos, jóias góticas e clássicas, parques naturais e velhos povoados entranháveis, todo isso é esta região.
Aix em Provence é a capital tradicional de Provença. Os romanos foram os primeiros em desfrutar de suas águas termais e seu calor mediterrâneo. Entre seus descendentes mais famosos destacam Paul Cézane e Emile Zolá.
A zona conhecida como os Alpes de Haute Provence é algo assim como a despedida natural da montanha. O aroma a lavanda, característico da zona provençal, começa a se espalhar pela atmosfera enquanto vai ao encontro com lugares pitorescos.

Alpes
Uma série de altas e nevadas montanhas têm feito dos Alpes o maior atractivo desta parte da França. O imponente manto branco que as cobre durante o inverno, a tradição de seus pequenos povoados dispersos nas bases de suas colinas, o calor de sua gente assim como os excelentes serviços de transporte e proteção, atraem a inumeráveis amantes dos esportes brancos.
No vale de Rhone encontram-se o Jura, a planície, os vinhedos do Beaujolais, o Maciço Central, o Forez, o Velay, o Vivarais, os montes do Lyonnais, e os pântanos dos Dombes e os Alpes. Actualmente um dos maiores atractivos da zona é a neve de suas montanhas, maravilhosamente aptas para a prática do esqui.
Chamonix é um dos mais populares centros internacionais de esqui, enquanto que a zona do Mont Blanc, nas próximidades de Chamonix, é a mais alta da Europa, sendo o pico de Aiguille du Midi a pendente de maior atracção para os grandes amantes e profissionais do slalom.


Lourdes
Conhecida como lugar de peregrinação em todo o mundo, esta pequena cidade acolhe a centos de milhares de pessoas cada ano que procuram sanar-se de forma milagrosa. Em Maissabielle Grotto está a gruta na que em 1858 Bernardette Soubirous, filha de um molinero, assegurou que se lhe havia aparecido a Virgem Maria e em esse mesmo lugar descobriu um jorro de água onde antes nunca houve nenhum manancial. Com o tempo se construiu a Basílica de St-Pie X, a igreja maior subterrânea do mundo. Pode albergar cerca de 20.000 pessoas, e também sobre ela se destacam outras duas, a Basílica bizantina de Rosaire e a de Supérieure. Frente à basílica subterrânea encontra-se o Museu de Bernardette, situado no pavilhão de Notre-Dame e em seu sótão o Museu d´Art Sacré du Gemmail.
Além dos atractivos que rodeiam a vida de Bernardette também há lugares históricos de interesse na localidade como o Castelo de Lourdes, onde se encontra o Museu Pyrénéen, dedicado aos trajes e arte popular desta zona.


É tão grande o carácter e prestígio da França que por si só constitui um lugar de interesse.

 Foto: 1ms.net

Em qualquer ponto que se pise podem-se encontrar pedaços de história, de arte, de grandeza arquitectónica, de lendas épicas ou de amor.


Foto: 1zoom.net

França conta também com a simplicidade da natureza na beleza de suas paisagens montanhosos, fluviais ou seus vales verdes onde os vinhedos nascem e renascem ano após ano. A beleza deste país incrusta-se nessa abundante combinação entre o simples, o histórico e o moderno pelo que os seus lugares de interesse encontram-se quase em todo o seu território.

Fontes e Fotos : “Wikipédia”, “Europa Viagem”, “Manualdoturista”, http://hdw.eweb4.com; http://pichost.me; www.wallpaperup.com; http://www.hdwallpapersnew.net; 1ms.net; http://www.hdwallpaperfreedownload.com; outros.


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.

Foto: http://www.hdwallpaperfreedownload.com

“Como se me apresentaria o mundo se eu pudesse viajar em um raio de luz?” (Albert Einstein)