quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Oymyakon – O lugar habitado mais frio da terra


Hoje vamos divagar pelo Local habitado mais frio do nosso Planeta.

Foto: sometimes-interesting.com
 
Situada num vale no leste da Sibéria, no noroeste da Rússia, Oymyakon ou Oimekon é uma localidade junto ao Rio Indigirka, na República de Sakha. Fica a 800 quilómetros de distância de Yakutsk, uma das mais importantes cidades da Sibéria.

Foto: Spotonlists.com

É conhecida por ter o recorde de temperatura mais baixa numa localidade permanentemente habitada, com 71,2 graus Celsius, abaixo de zero, que ocorreu em Janeiro de 1926.

Monumento ao local habitado mais frio da Terra


Está localizado num planalto a cerca de 750 metros acima do nível do mar, onde o inverno dura um mínimo de nove meses.

Foto: pickchur.com

Estas condições meteorológicas extremas devem-se às cadeias de montanhas que a cercam e que a impedem de escapar das fortes massas de ar frio que cobre o vale.

Foto: pickchur.com

Curiosamente Oymyakon é também um dos lugares mais quentes do planeta, podendo no verão as temperaturas chegar a mais de 40 graus positivos.



No dialecto local Oymyakon significa “água que não congela”, provávelmente por causa da proximidade de fontes naturais de água quente subterrâneas perto da povoação, que impedem o rio de congelar durante o longo inverno, garantindo que a vida neste lugar seja possível.

Foto: genspot.com

O solo é permanentemente congelado o ano inteiro, é chamado de Permafrost.

Foto: sometimes-interesting.com

Nos piores dias de Inverno, o frio chega a 60 graus negativos. O solo começa a rachar e o ar estala. Ninguém sai de casa a não ser que seja absolutamente necessário.


Durante o inverno, há poucas horas de sol durante o dia, quando alguém precisa de sair para ir a uma loja, para a escola ou trabalho, necessita de usar muitos agasalhos, chapéus e longos casacos de pele.



Circular na estrada é uma aventura, no Inverno a neve é tão espessa que muitos camiões acabam literalmente enterrados na neve, e no Verão, a estrada fica por vezes um autêntico lamaçal, provocando o atolamento  de carros.


Foto: sometimes-interesting.com

A sua população vive uma vida bastante original e muito longe do conforto das grandes cidades.

Foto: genspot.com

Em Oymyakon as casas são de madeira e aquecidas com carvão e a vida é extremamente difícil, reflectindo-se até na sua alimentação. Só no curto período estival é possível obter alguns vegetais, ausentes dos hábitos alimentares durante todo o resto do ano.


A maioria dos habitantes tem poucos recursos económicos. Possuem alguns rebanhos de renas e dedicam-se à criação de cavalos que é uma das actividade tradicionais desta região.

 
Foto: globertraveling.com

Os habitantes alimentam-se de carne de cavalo, de rena e peixe (por furos no gelo). Quando os pescadores desta aldeia vão pescar nas águas cobertas de gelo, bastam 30 segundos fora de água para os peixes congelarem.

Foto: pickchur.com

Os animais desta área também se adaptaram ao clima, os cavalos de Oymyakon, os Yakut, são muito robustos, com pernas curtas e pele grossa. São usados como animais de carga e a sua carne é também muito popular entre os locais.

Foto: sometimes-interesting.com

Uma outra curiosidade desta população é que não é possível ir ao supermercado e comprar uma garrafa de leite em estado líquido pois este, só é vendido em blocos congelados de cor de mármore.


Os transportes são igualmente dificultados pelo facto de combustíveis como o gasóleo congelarem a -50ºC (-58ºF). A escola encerra quando as temperaturas se situam abaixo dos -52ºC.


Foto: genspot.com
 
A tinta das esferográficas congela habitualmente e todo o equipamento electrónico apresenta comportamento bizarro em função das diferentes reacções de dilatação e contracção dos metais a temperaturas extremamente baixas.


Apesar das temperaturas extremas, a região de Oymyakon tem belezas naturais ímpares: montanhas de cume nevado, vales, rios e uma vida selvagem exuberante (é habitada por aves de grande porte, ursos, leões-marinhos e alces).

Fontes e Fotos: Wikipedia; email recebido; www.amusingplanet.com/; pickchur.com; sometimes-interesting.com; globertraveling.com; 2patwordpress.com; Spotonlists.com;  genspot.com; outros


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

Photographs without the authors’ names are because I could not identify them. If they are yours, please contact me and I will put immediately your name, or remove them, if that is your wish. It is not my intention to break authors rights.

Foto: 2patwordpress.com

"Viajar! Perder países! Ser outro a cada dia." (Fernando Pessoa)

20 comentários:

  1. Maria,
    Nunca tinha ouvido falar de Oymyakon. Desta vez a proposta é mesmo radical, ir lá só mesmo virtualmente. :)

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria,

    Agradecendo a tua visita em minha ausência.
    Interessante tua postagem. seguimos aprendendo sempre.

    Retornando a casa, com cheiro ainda de mar e por tanto que naveguei, inspiro aos ventos o meu dom embevecido... expirando lentamente quão suspiros, as belezas destas terras neste meu coração sentido...

    Mta paz pra ti

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  3. imagino o frio e o gelo que deve fazer nessa povoação. bom fim-de-semana!!

    ResponderEliminar
  4. Maria,que lugar belíssimo!Apesar do frio é lindo de se ver!Já pensou?Até as canetas esferográficas congelam com o frio!Fiquei estarrecida!Parabéns pela postagem!Bjs,

    ResponderEliminar
  5. Amiga, que viagem maravilhosa fiz eu, através deste teu cultural post!!! Adorei!
    Obrigada por compartilhar.
    Beijinhos e fica feliz.
    Ceiça

    ResponderEliminar
  6. Oi, Maria:
    Vim agradecer sua visita ao meu blog e escolhi este seu Viajar para Seguir, pois "viajo" também por textos e imagens que muito me agradam.
    Você consegue colocar fotos maravilhosas, aliadas às histórias dos lugares visitados. Gostei muito !

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. ...mirlo
    de nieve
    oro blanco
    de mi
    alma al
    despuntar
    al alba
    y tú MAria
    en tan bello
    paisaje...



    con afecto , atentamente :



    j.r.s.

    ResponderEliminar
  8. Olá, amiga!
    Muito interessante!!!
    Um lugar tão frio e tão quente ao mesmo tempo.
    Boa semana!
    ♥ Muitos beijos ♥ ° º
    ° ♥ °º ♥ °º
    ° ·.·.

    ResponderEliminar
  9. Adooooro um friozinho, mas assim já é demais. Brrrrrrr!
    Venho lhe desejar uma linda semana. Começar a semana lhe visitando transforma a minha vida numa bela poesia!

    "Os verdadeiros amigos são a poesia da vida. Eles enchem nossos dias de cores, rimas e risos e nos seguram a mão quando caminhar parece difícil.


    Eles nos mostram que mesmo em dias nublados o sol está no mesmo lugar e nos ensinam que a chuva pode ser uma canção de ninar nas noites solitárias e vazias.


    Um amigo é alguém que nunca nos deixa só, mesmo quando não pode estar presente, pois sabemos que um pedacinho do seu coração está conosco.


    Um amigo é alguém que pensa na gente mesmo sendo separado por mil mares, é alguém por quem a gente sabe que vale a pena viver.


    Um amigo nem sempre diz sim quando dizemos sim e não quando dizemos não, mas ele vai nos fazer entender com mais clareza aquilo que não conseguimos entender sozinhos.


    Um amigo é um bem precioso que devemos não deixar guardado numa caixinha de jóias para usá-lo quando precisamos, mas tê-lo sempre presente junto a nós, mostrando ao mundo que riqueza mesmo é ter um verdadeiro amigo."

    (Letícia Thompson, Amigos são poemas)
    ______________________________
    Sônia Silvino's Blogs
    Vários temas & um só coração!

    ResponderEliminar
  10. Porra, congelei só de olhar as fotos e ler o texto!

    ResponderEliminar
  11. O solo é permanentemente congelado o ano inteiro, é chamado de Permafrost.

    Mas e no verão quando a temperatura atinge 40° ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma camada que pode variar entre uns 50 cm a pouco mais de um metro (depende do local, vegetação, etc) não fica congelado, mas abaixo disso, é permanentemente congelado. Isso causa movimentações no solo, que impedem que as estradas sejam asfaltadas (por isso são de terra e viram um lamaçal no verão). Em alguns locais, com modernas técnicas de construção, é possível construir grandes blocos de apartamentos, como na capital da região de Oymyakon, a cidade de Yakutski, que tem mais de 200 mil habitantes e é cheia de edifícios altos. Mas eles precisam de uma caríssima manutenção constante, caso contrário começam a rachar ou simplesmente afundam no permafrost, principalmente nos dias mais insuportavelmente quentes do curto e abafado verão siberiano.

      Eliminar
  12. Gostei do lugar e fiquei curioso por saber qual a fonte de renda dessa comunidade. De que eles vivem? Por que seguem morando em um lugar tão inóspito? Como se deu a colonização dessa localidade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mineração, o solo é rico em minerais, que vão do ouro ao níquel, passando por metais raros. As cidades maiores da Sibéria são sede das mais importantes fábricas químicas, metalúrgicas e outras indústrias pesadas da Rússia. Nestas grandes cidades siberianas, o nível de poluição atmosférica chega a ser um dos mais altos do mundo. Mas as pessoas se sujeitam a ir viver lá, pois os salários chegam a ser cinco vezes mais altos do que em outras partes da Rússia.

      Já a cidade de Murmansk, que chegou a ter meio milhão de habitantes, até os anos 80, tem um dos mais importantes portos da Europa. O governo russo atual tem dado menores incentivos econômicos para quem quer viver na Sibéria e muitas cidades têm perdido grandes contingentes populacionais, como Murmansk, que hj tem cerca da metade de sua população original. Outras cidades siberianas descobriram outras vocações, como Novossibirski, que é sede de várias universidades e recebe estudantes de todo o país, da China e de ex-repúblicas soviéticas e se tornou uma das maiores cidades de toda a Rússia.

      Eliminar
  13. Eu estou ultimamente, reclamando muito e muito do calor em São Paulo, eu que ja presenciei uma S.P muito mais fria, a chamada terra da garoa.
    Mas esta cidade, com esta temperatura, esta me fazendo repensar nestas reclamações.
    Uma pergunta que não quer calar, ou melhor tres: Banhos, necessidades fisiologicas 1 e 2, como ficam?
    Vira tudo sorvete?
    Parabens pelo belo trabalho, gostaria de assinar seu blog, por Feed ou qualquer outro meio.
    Rafael
    S>paulo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo tem calefação hj em dia por lá. Mas a verdade é que os russos, em geral, (e não só na Sibéria, nas cidades mais quentes do Sul tb......) não têm hábito de banhos diários. No passado, quando não havia calefação, havia muitos casos de doenças ligadas à falta de higiene, mas isso melhorou muito, evidentemente. Uma das tradições russas são as casas de banho coletivas, em que as pessoas se encontram como se estivessem numa espécie de bar. São separadas em masculinas e femininas, obviamente. E a frequência mais comum na Sibéria é uma vez por semana.....

      Eliminar
  14. João Inácio, muito obrigado pelas excelentes explicações que deu.
    Um abraço
    Maria

    ResponderEliminar
  15. adorei a sua publição. é um lugar impar realmente, e demostra a adaptabilidade humana quando se precisa, Oymyakom entrou na minha lista de lugares a se conhecer.

    ResponderEliminar
  16. O récorde de temperatura máxima é de 35.8°C positivos no dia 28 de julho de 2012. E não vai a mais de 40 graus conforme mencionado. Só se alguma região próxima a Ojmjakon já aconteceu isso, mas até então ainda não.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.